transformamos a vida de milhares de jovens através da educação.

Everton Sabú
Fundador

Junte-se a Nós nesta missão!

Mudar de carreira: saiba como escolher uma nova área profissional

Escolher uma profissão não é tarefa fácil — e não é raro que se perceba isso apenas depois de estar estabelecido em um mercado ou área. Nessas horas, buscar mudar de carreira é uma solução para tentar alcançar a realização profissional, uma transição que, por sua vez, pode trazer muita insegurança.

Se você está passando por um momento como esse, acompanhe este texto e saiba como escolher uma área profissional mais adequada ao seu perfil. Boa leitura!

1. É realmente preciso mudar de área de atuação?

Mudar de carreira é uma decisão que gera consequências. Por isso, é preciso ter cautela e considerar se essa alternativa será a solução para o seu problema. Assim, o primeiro passo diante à insatisfação com a carreira e vontade de mudança deve ser analisar e definir se é realmente necessário trocar a área de atuação.

Alguns fatores podem indicar que você está ansioso por uma mudança na sua vida profissional — como frustração e desânimo constante em relação à sua carreira. Algumas situações, no entanto, podem fazer com que esses sentimentos piorem: estar diante de poucas possibilidades de avanço e crescimento no trabalho é uma delas, por exemplo.

Para definir se mudar de carreira é realmente preciso, existem algumas questões. Confira os próximos tópicos e saiba mais:

1.1. Identifique as causas da vontade de mudar

Como mencionamos, diversos motivos podem estar relacionados com a insatisfação profissional e ter consciência disso é o primeiro passo para o problema de forma eficaz e sem tomar decisões precipitadas (e prejudiciais!).

Assim, coloque-se a pensar: o problema pode estar ligado ao atual emprego e às políticas da empresa — e não à carreira em si. Numa situação dessas, se a questão não for corretamente identificada, a mudança pode não trazer os efeitos desejados, e sim mais frustração.

Talvez você esteja desmotivado por estar em uma empresa que não oferece mais chances de crescimento, que não reconhece os seus esforços ou que não respeita os seus direitos. Nesses casos, o seu problema não é a carreira — e sim onde ela está no momento.

Nesse caso, a solução pode surgir em meio a uma conversa clara com os superiores ou na busca de outro emprego com a mesma função em outra empresa (o que é bem menos impactante do que iniciar uma nova carreira em outra área).

Outro ponto se relaciona com a sua vida pessoal. Você já parou para pensar se os problemas que você atribui ao trabalho têm ligação com outras áreas da sua vida — como problemas financeiros, pessoais e familiares? É preciso ter em mente que eles afetam o seu desempenho e modo de agir. E, portanto, leve-os em consideração.

Caso a situação dure por muito tempo, isso pode afetar a forma como você lida com o trabalho, deixando dúvidas sobre sua carreira e sua própria capacidade — o que faz com que você fique insatisfeito e cogite uma mudança drástica em relação à área de atuação profissional.

Nesses casos, a mudança pode até mesmo agravar o problema, tendo em vista que afetará a sua rotina e poderá ter impactos na sua situação financeira, piorando, assim, o seu estado emocional.

Contudo, a vontade de mudar de carreira pode ser realmente motivada por insatisfação e por problemas diretamente relacionados ao segmento de atuação da empresa em que você trabalha e/ou à função que você exerce.

Isso pode acontecer por diversos motivos — rotinas estressantes, burocracias excessivas e funções que não condizem com os seus propósitos são alguns exemplos de razões que desgastam a motivação dos profissionais.

Você deve se perguntar por que escolheu essa carreira e o que faz com que queira abandoná-la. Busque responder a perguntas como: a escolha dessa profissão levou em conta as suas afinidades e habilidades? Você precisou ingressar no mercado de trabalho cedo demais e não teve tempo ou oportunidade de fazer a graduação desejada?

É fundamental analisar, cuidadosamente, quais são as causas da insatisfação com o trabalho e o que gerou a vontade de mudar de carreira para tomar uma decisão consciente e evitar arrependimentos.

1.2. Busque auxílio profissional

Tendo em vista que a compreensão dessa fase da vida pode ser complicada, é recomendável contar com apoio profissional para identificar os motivos da sua insatisfação.

O auxílio nesse momento é fundamental, pois, como mencionamos, a insatisfação pode não estar ligada à carreira, mas a alguns pontos específicos da atuação profissional em determinada empresa — ou, ainda, a alguns problemas pessoais.

Você pode contar com um psicólogo ou com um coach. Esse profissional trabalhará os aspectos relacionados à sua carreira e à sua vida pessoal para ajudar você a compreender melhor a situação.

Afinal, um olhar “de fora” da situação sempre ajuda a identificar situações que você não enxerga, facilitando o entendimento sobre as causas e as soluções. O objetivo disso tudo é encontrar formas de trabalhar na melhora dos aspectos que estão incomodando e, se necessário, encontrar maneiras e traçar estratégias para escolher um novo caminho.

2. Como planejar-se para mudar de carreira?

Após ter a certeza de que a mudança de carreira é o caminho correto para você, é fundamental planejar cuidadosamente essa transição. É preciso considerar o tempo disponível e as condições financeiras para descobrir a melhor forma de se preparar para atuar em uma nova área.

É preciso ter muito cuidado para não agir por impulsos e de cabeça quente. Lembre-se: nunca é uma boa ideia tomar decisões baseadas em situações isoladas, dificuldades pessoais, modismos ou promessas de rápida melhora financeira.

Mudar de carreira é um passo sério e significa reiniciar a luta pelo crescimento e reconhecimento profissional. Nesse sentido, decisões impensadas podem gerar mais frustrações e dificuldades. Você não quer errar novamente, certo?

Contudo, se você tiver certeza de que precisa mudar, lute por isso e não tenha medo de perseguir os seus sonhos. Muitas pessoas desistem de mudar os rumos profissionais por não ter certeza em relação aos próprios objetivos, por ter medo de mudança ou até mesmo por achar que já passaram da idade para buscar algo novo.

Todos esses aspectos podem — e devem — ser trabalhados. Realizando um bom planejamento, a mudança de carreira pode ser realizada com segurança e responsabilidade — assim ela certamente trará satisfação pessoal e melhorias na sua vida profissional.

Para isso é recomendável que você siga diversas etapas. A seguir daremos algumas dicas para facilitar essa mudança. Acompanhe!

 

perfil-empreendedor

 

2.1. Identifique suas necessidades

Tenha sempre em mente que mudar de carreira afetará todos os aspectos da sua vida. Por isso, é muito importante ter autoconhecimento e saber quais são as suas necessidades, o que você busca com a nova carreira, o que você espera, o que é preciso para que você desfrute do padrão de vida pretendido e vários outros detalhes.

Também é necessário saber o que será preciso fazer para adotar uma nova carreira: você precisará fazer outra graduação? Uma especialização ou outros cursos técnicos podem servir? Qual será o investimento necessário? Tudo isso influenciará os próximos passos que devem ser tomados.

Enfim, é preciso pensar com calma em tudo o que você precisa para viver bem e realizado — e ponderar se a mudança de área de atuação poderá te proporcionar isso. Em caso positivo, comece a pensar no que é necessário para colocar essa mudança em prática.

2.2. Descubra suas habilidades

Se você não está feliz na sua profissão mas não tem certeza de onde quer atuar, é preciso descobrir algumas coisas sobre você: quais são as suas habilidades, quais são as suas afinidades, em que tipo de trabalho você se sai melhor? Você pode fazer isso por meio de testes vocacionais — preferencialmente aplicados por um profissional capacitado.

Atuar em uma área que favoreça ou necessite das suas habilidades tornam o trabalho mais prazeroso e recompensador — o que leva a uma carreira de sucesso. Por isso, é importante saber em quais áreas e com quais tipos de trabalho você se dá bem. Assim é possível visualizar de forma clara as alternativas e possibilidades de mudança.

2.3. Estabeleça seus objetivos e metas

Objetivos e metas são essenciais na vida — é preciso criar um plano que estabeleça objetivos e prazos para realizar essa transição. Isso é importante para que você mantenha o foco e não desista diante de dificuldades.

Defina os passos necessários para essa mudança e elenque as etapas que você deverá concluir. Na hora de definir metas e prazos, seja realista. Estude as possibilidades com calma, pois não adianta nada criar objetivos que exigem demais ou que não permitem erros — isso só gerará mais frustração.

Sempre que possível, quebre os objetivos grandes em vários objetivos menores e de curto prazo. Ao alcançar pequenas metas, você criará ânimo para continuar investindo nessa mudança e verá que é capaz de realizar tudo o que quiser.

2.4. Faça um planejamento financeiro

Para fazer a transição de carreiras é importante fazer um planejamento financeiro para o período. Afinal, toda mudança exige investimento — seja em cursos, graduações ou especializações, seja na abertura de um novo negócio. Além disso, no início da carreira os rendimentos costumam ser mais baixos.

Uma boa ideia é conciliar uma nova carreira com a antiga até que você consiga alguma estabilidade — contudo, nem sempre isso é possível. Às vezes, mesmo que no início essa conciliação seja possível, com o tempo a rotina pode ficar muito pesada e prejudicar o seu rendimento nas duas atividades.

Assim, é preciso fazer uma escolha — e com um bom planejamento financeiro é possível manter os planos de mudar de carreira sem passar por dificuldades financeiras. Desse modo, é fundamental planejar os gastos e criar uma reserva financeira para conseguir passar por essa fase da forma mais estável possível.

2.5. Prepare-se emocionalmente para a mudança

A mudança de carreira também exige um período de adaptação — por isso, estar preparado emocionalmente é essencial para que você não se frustre. É normal que o início traga algumas dúvidas, dificuldades e desafios — nesse sentido, um bom planejamento é essencial para que você não desanime e desista diante de tais problemas.

Converse com sua família e pessoas mais próximas: essa fase de transição poderá afetá-las. Explique detalhadamente a situação e todos estarão prontos para apoiar as suas decisões.

Todas essas dicas são essenciais para fazer uma transição tranquila de carreiras. Contudo, existe um fator essencial para o sucesso dessa mudança: saber qual carreira seguir e ter segurança sobre essa decisão. Confira o próximo tópico e veja o que você deve fazer.

3. Como encontrar a carreira certa?

Conforme já explicamos, para encontrar a carreira certa é preciso descobrir quais são as suas afinidades. Não se limite ou tenha medo do tempo: mesmo que a nova carreira não pareça ter qualquer ligação com a sua área de atuação, é importante lembrar que conhecimento nunca é demais.

Algumas rotinas e questões relacionadas à antiga profissão podem ajudar você a crescer e se destacar no novo segmento. Novamente, o apoio profissional também é válido: por meio de testes psicológicos e de aptidões um psicólogo poderá indicar áreas que se encaixem às suas preferências e ao seu estilo comportamental.

Essa ajuda profissional ajudará você a identificar quais atividades podem ser mais prazerosas, aliando, assim, rentabilidade e satisfação. Depois de definir essas questões é importante analisar alguns fatores relacionados às profissões pelas quais você nutre interesse.

Veja mais a seguir:

3.1. Desafios da área

O primeiro passo é saber quais serão os desafios da área de atuação escolhida — ou daquelas que você tem afinidade — para entender se você está disposto a passar por todas as etapas e dificuldades do início de uma nova carreira.

Toda carreira terá desafios e obstáculos, isso faz parte do mercado de trabalho e de todas as profissões. Porém, em alguns casos os sacrifícios necessários não valem a pena. Por isso, os desafios e obstáculos que deverão ser enfrentados devem ser ponderados para que não sejam motivos de novas insatisfações no futuro.

3.2. Prós e contras da profissão

Para mudar de carreira é fundamental saber o que você está procurando e com o que deseja atuar. Caso você esteja dividido entre várias opções, faça uma lista de prós e contras de cada profissão.

Liste as coisas que você considera vantagens e atrativos e as que você considera dificuldades e desvantagens. Dessa forma você conseguirá avaliar melhor as opções e riscar algumas delas da lista.

Outro fator essencial é ter uma lista com as suas habilidades e necessidades — lembre-se da importância do autoconhecimento para o planejamento da sua mudança de carreira. Assim, diante de mais de uma oportunidade, você pode buscar a que mais se encaixa nas suas expectativas.

Afinal, tendo em vista que a mudança de carreira costuma ser impulsionada pela insatisfação, é fundamental buscar a que mais tem a ver com os seus ideais e propósitos de vida.

3.3. Limitações da carreira

Também é importante saber as limitações de cada carreira. Busque saber, por exemplo, quais são as suas chances de crescimento, quais são os sacrifícios envolvidos, se essa carreira trará alguma limitação em relação ao seu modo de vida atual e como será o impacto dessa escolha na sua família.

Tendo consciência das limitações você evita criar expectativas e gerar novas frustrações graças aos obstáculos existentes. Por isso, ao se identificar com uma carreira é importante buscar estudar e entender todas as suas características e limitações antes de investir dinheiro e esforços em prol dela.

3.4. Mercado de trabalho

Conhecer e entender o mercado de trabalho é fundamental — afinal, é preciso ter consciência das possibilidades reais da nova carreira e saber em que território você está pisando.

Para isso, é necessário conhecer o público e saber como funciona o mercado na sua região para ver se é viável investir na nova carreira — seja para buscar uma recolocação no mercado de trabalho, seja para empreender e buscar seus próprios clientes.

Você deve investir em um trabalho de pesquisa para entender as necessidades do mercado de trabalho, o que está em alta, quais setores são mais promissores, quais são as funções mais requisitadas ou quais serviços e produtos são mais buscados. Enfim, é preciso fazer uma análise completa para ter certeza da viabilidade da mudança.

Isso é essencial, pois, ao buscar uma mudança de carreira, busca-se também a satisfação pessoal e a estabilidade financeira. Por isso, ao passar por essa mudança, é preciso ter muito cuidado para fazer uma escolha consciente, que dê reais possibilidades de crescimento e satisfação.

3.5. Converse com outras pessoas

Para conhecer melhor a carreira que você deseja trilhar o ideal é conversar com outros profissionais que atuam na área. Você também pode procurar outras pessoas que tenham passado por uma situação parecida para saber como foi feita a escolha e como se deu esse processo.

Também é importante ter uma boa rede de contatos, pois relacionamentos profissionais podem ajudar tanto na busca por um novo emprego na sua nova carreira quanto na captação de clientes para um negócio novo.

Uma coisa é saber como é a carreira na teoria, outra é verificar a experiência de outras pessoas, como elas se sentem e como determinada carreira realmente é na prática — isso pode garantir que você não se iluda com o novo trabalho.

3.6. Tenha certeza do que quer

Tendo em vista os impactos dessa decisão, ter certeza é fundamental. Quando você decide mudar de carreira, logo isso quer dizer que, em outro momento, você não fez a melhor escolha. Nessa situação, você também já teve de lidar com o início de carreira e as lutas diárias para buscar o crescimento profissional.

Desse modo, você deve estar certo em relação ao novo rumo escolhido para que possa enfrentar, sem hesitar, todos os passos necessários até conseguir estabilidade e sucesso no caminho que você decidiu percorrer.

Por isso, a análise de todas as questões relacionadas a essa mudança é essencial para garantir a melhor decisão. Assim, o recomendado é que você só coloque os seus planos em prática depois que tiver certeza do que você quer fazer — e de como fazer.

3.7. Busque as ferramentas necessárias e coloque a mudança em prática

Finalmente, após ter tomado todas as decisões, definido metas, traçado objetivos, estipulado prazos e escolhido qual carreira seguir, agora é a hora de colocar a mudança em prática. Nesse momento é preciso buscar as ferramentas necessárias para atingir os objetivos traçados.

Considere: matricular-se em um curso para expandir seus conhecimentos e melhorar o currículo, cursar uma graduação para se adequar à nova área, fazer uma especialização ou cursos de extensão que possam dar uma base para a nova carreira, criar uma rede de contatos para facilitar a recolocação e o reconhecimento profissional.

Caso você queira criar um negócio próprio, alguns cursos voltados para administração e outros aspectos específicos do empreendedorismo podem ser uma excelente ideia. Você também pode buscar parceiros e sócios para criar uma empresa e investir em um novo segmento.

Também é possível investir em franquias que atendam às suas expectativas. Elas consistem em negócios estruturados, com processos organizados, e permitem ao franqueado a abertura de um novo negócio por meio de um investimento inicial e do pagamento de uma licença para o uso da marca.

Por carregar nomes fortes e já consolidados entre o público, as franquias oferecem um  — fatores excelentes para quem busca uma nova carreira.

Enfim, tudo dependerá da escolha feita — novamente, o planejamento é essencial. Estruture um plano e revise-o sempre que necessário para verificar os objetivos, as metas e seus andamentos — talvez seja preciso adaptá-los periodicamente à realidade vivenciada.

Mudar de carreira é uma decisão importante e vai refletir em todos os aspectos da sua vida. Com essas dicas em mente será bem mais fácil planejar essa mudança, escolher uma nova área de atuação, colocar os seus planos em prática e realizar os seus sonhos.

Pronto! Agora você já sabe quais são os principais pontos a avaliar na mudança de carreira e como escolher uma nova área profissional. Se você gostou deste texto, curta a nossa página no Facebook e acompanhe as nossas atualizações!

Conheça as características dos principais perfis de empreendedor

Independência financeira, tempo para a família ou liberdade para viajar: quem nunca sonhou com essas regalias, não é mesmo? Contudo, em um trabalho assalariado formal, estes podem ser apenas sonhos distantes. Na vida de quem empreende, porém, se apresentam como realidades palpáveis, cuja execução é possível.

Se você deseja alcançar novos patamares em sua vida profissional, empreender pode ser o melhor caminho. Afinal, ter um negócio próprio, no qual você é seu próprio chefe, permite que certas possibilidades finalmente se concretizem.

Pensando nisso, preparamos este texto com as características de vários perfis de empreendedor. Continue lendo o post para saber qual deles tem mais a ver com você e planeje um novo futuro!

Qualidades que todo empreendedor deve ter

Confira algumas qualidades que fazem parte de muitos empreendedores de sucesso, independentemente do perfil, época ou setor em que atuam.

Iniciativa

De acordo com o dicionário Aulete Digital, o termo “empreender” significa “experimentar, procurar fazer, tomar iniciativa de ação, tarefa, realização etc”.

Ou seja, só empreende algo na vida quem começa alguma coisa. Para que você tenha sucesso em uma empreitada que seja apenas sua, é fundamental que também seja o principal responsável por iniciá-la.

Lembre que ter medo ou insegurança é normal no princípio de qualquer atividade. Portanto, considere que os erros são inerentes a esse processo e não tenha receio de começar.

Visão

Você decidiu iniciar um projeto por conta própria: ótimo! Agora, é preciso pensar no que ele consistirá. De nada adianta apostar em algo que não apresente nenhuma possibilidade concreta de render frutos no futuro.

Por isso, é imprescindível que você tenha visão. E o que isso quer dizer? Primeiramente, que deve existir em seus pensamentos uma capacidade de fazer projeções realistas. Mais do que isso: saber como determinado segmento do comércio ou da indústria se comporta e outras coisas do gênero.

Ser um visionário significa, antes de tudo, conseguir olhar para frente, analisar os detalhes e tirar conclusões proveitosas desses pontos.

Coragem

Muito semelhante à iniciativa, a coragem implica na habilidade de arriscar quando poucos acreditam nas chances apresentadas. Ela é a própria ousadia de quem dá dois passos para frente, quando o recomendado é dar apenas um.

Firmeza

Ser firme é o mesmo que ser consistente: você banca aquilo que decide e lida com suas escolhas a todo custo, pois se vê como responsável por elas.

Além disso, esse traço também se reflete na busca pelos objetivos almejados. É ela quem guia as metas que você propõe e serve como molde para agir do jeito necessário até mesmo nas ocasiões mais complexas ou delicadas.

Decisão

A tomada de decisões é uma ação constante no cotidiano de quem empreende. Pode-se dizer, aliás, que ela é praticamente ininterrupta. Afinal, como o controle está em suas mãos, você sempre precisará escolher o que deve ser feito, como fazer, quem o fará e assim por diante.

Nesse sentido, é preciso saber qual é o momento exato para escolher com mais firmeza e coragem, bem como quando ser moderado e conservador. Decidir corretamente é a chave para que todas as outras características possam fluir bem.

Respeito humano

Engana-se quem pensa que pode passar por cima de outras pessoas. O fato de concentrar as ações e os poderes em suas próprias mãos não lhe dá o direito de ser ríspido ou estúpido com aqueles que estão ao seu lado.

Inclusive, isso também é pouco estratégico para o bom funcionamento de seu negócio. Considere que você depende muito de um bom relacionamento com seus colaboradores, funcionários e fornecedores para que tudo saia exatamente como planejou.

Para exercer uma liderança efetiva, que traga resultados positivos, tente ser carismático sempre que possível e respeite as pessoas. Ter autoridade não é sinônimo de ser arrogante.

Agora que você já sabe quais são algumas das qualidades básicas necessárias para ter sucesso com o seu empreendimento, veja e analise alguns tipos de perfil empreendedor.

Empreendedor criativo

Como já antecipa o próprio título, esse empreendedor se destaca pela visão apurada e pela facilidade que tem para criar coisas novas. Ele lida diretamente com a inovação e não suporta ficar parado em sua zona de conforto.

Ao olhar para um problema, o criativo logo imagina mil soluções possíveis, todas muito diferentes entre si. Seus negócios geralmente são atrelados a coisas nas quais poucas pessoas pensaram. Por conta disso, ele costuma sair na frente de seus concorrentes.

O fato de não se conformar com o básico também o ajuda a conquistar aquilo que almeja por vias incomuns, que surpreendem a todos.

Infelizmente, ele corre o risco de ser mal compreendido na maioria das vezes, mas gosta de pagar para ver aonde suas ideias inovadoras podem levá-lo.

O maior exemplo dessa categoria certamente foi Steve Jobs, fundador da Apple. Falecido em outubro de 2011, ele não se contentava com nada que fosse apenas corriqueiro. Embora não tivesse inventado os computadores, celulares e tocadores de MP3, ele revolucionou a forma de se conceber a tecnologia como um todo.

Empreendedor administrador

Caso você tenha uma grande facilidade para pensar a longo prazo, organizar as ideias e pensar em uma gestão completa e bem estruturada, este é o seu perfil de empreendedor!

O administrador controla todas as ações da empresa com pulsos firmes. Suas decisões sempre levam em conta aquilo que foi planejado à risca. Ele integra os setores e vê os diferentes times com igual importância para o andamento do projeto.

Sua administração colabora para que tudo funcione corretamente: da limpeza até as vendas. Detesta ver algo fora de lugar e persegue os índices de qualidade com absoluta determinação.

Se algo não sair como ele quer, avaliará as métricas que ele mesmo definiu e saberá a forma exata de cobrar sua equipe. Preocupa-se bastante com as finanças e confia nos números para melhorar o que é necessário.

Ele se encaixa muito bem em lugares onde tudo está devidamente definido, pois enxerga os processos internos como engrenagens que precisam de um constante alinhamento.

Dificilmente se deixa levar pelo instinto, o que configura seu maior mérito e, simultaneamente, seu grande defeito.

Empreendedor realizador

Diferentemente do anterior, o empreendedor realizador não se apega muito às ideias ou às organizações para se dar bem em sua trajetória. O que está ao seu alcance, ele concretiza; o que não está, dá um jeito de buscar.

É praticamente impossível de enxergar algo como um empecilho: tudo que aparece como obstáculo ele vê como uma oportunidade de mostrar o seu valor e conseguir aquilo que deseja.

Seus traços mais marcantes são:

  • obstinação;
  • perseverança;
  • confiança;
  • independência.

Ou seja, se você se identifica bastante com mais de uma dessas características, provavelmente se encaixa nesse perfil.

Também é curioso notar que ele é, entre os vários empreendedores, aquele que menos encontra dificuldades em relação à abertura de seu negócio. Até mesmo porque vê na vida um grande empreendimento, no qual as conquistas resultam de uma intensa dedicação.

Tem iniciativa para tudo e não se conforma nem um pouco com uma equipe que não consegue cumprir as metas estabelecidas. Desse modo, seu maior desafio é saber reconhecer que as outras pessoas podem ter métodos distintos para chegar aonde querem.

É bastante movido por seus sonhos, já que realizá-los é uma espécie de reafirmação do esforço empreendido. Se dá bem em qualquer área, desde que haja motivação o suficiente.

Empreendedor integrador

Você se lembra das principais qualidades listadas no começo deste texto? O integrador é aquele que mais sabe o quão importante é o respeito humano em um empreendimento. Ele vê no bom relacionamento com os colaboradores a chave para liderar, com eficiência, um grupo de pessoas.

Além disso, tem uma excelente noção sobre como colocá-las em torno de um único objetivo, mostrando para cada uma delas como e porquê fazê-lo.

O corretor Jordan Belfort, retratado por Leonardo DiCaprio no longa-metragem “O Lobo de Wall Street”, tem esse perfil. Fato é que sua ética e uma boa parcela dos meios que ele utilizava são passíveis de crítica. Ainda assim, não deixa de ser um exemplo na gestão de grupos, pois sabia motivá-los muito bem.

O integrador reconhece à distância quando um funcionário passa por problemas. Por isso, tende ser altamente compreensível e acreditar naquilo que as pessoas têm de melhor para oferecer.

Aos poucos, constrói um laço forte com aqueles que estão à sua volta, fazendo com que desponte uma legião de pessoas determinadas e comprometidas a defender seu negócio com unhas e dentes.

Curiosamente, apesar de ser um líder notório, ganha pontos justamente por não centralizar suas decisões. Por saber como delegar responsabilidades e tarefas, também otimiza os processos, ganhando tempo para lidar com as prioridades mais relevantes.

Seu senso coletivo ainda colabora para enxergar de forma igualitária os diferentes times. Em virtude disso, entende com grande facilidade quais são as melhores práticas para integrá-los.

Muitos podem achar que, às vezes, ele não passa de um coadjuvante. Vale salientar que essa impressão só acontece porque ele sabe muito bem quando é a hora de ficar nos bastidores.

 

perfil-empreendedor

 

Empreendedor promotor

Perfil bastante semelhante ao do realizador, porém mais comedido. Para o promotor, tudo para ele é uma questão tática: sua satisfação só vem a partir do momento em que há maneiras definidas de promover seu negócio.

Dessa forma, ele dificilmente dá passos em falso. Assim que possível, as estratégias de marketing, as datas importantes e os eventos estarão todos alinhados e ele fará uma grande ocasião para chamar a atenções dos fornecedores, parceiros e, principalmente, consumidores.

Seu trânsito público merece destaque, já que ele sempre consegue desenrolar uma reunião interessante com figurões importantes da mídia, outros empresários e até gente da política. Nesses casos, evidenciam-se o carisma e as habilidades de comunicação que ele tanto tem.

Vê possibilidades de bons negócios onde ninguém mais consegue enxergar e não tem nenhum receio de apostar. Crê que, com paciência, as coisas aumentarão de tamanho e terão números impressionantes.

Em contrapartida, ele também colabora para que seus parceiros cresçam bastante, pois imediatamente enxerga aquilo que falta para que as empreitadas deles também decolem.

Antenado em tudo que acontece à sua volta, ele encara as relações como oportunidades em potencial. Na ausência destas, se lança em busca de novas, que estejam de acordo com suas vontades empresariais. É especialista em transformar produtos obsoletos em novidades atraentes.

Empreendedor nerd

Bill Gates, fundador da Microsoft, e Mark Zuckerberg, criador do Facebook, são dois exemplos bem-sucedidos desta categoria. O que eles tinham em comum? A engenhosidade de um verdadeiro nerd.

Este esteriótipo é marcado por indivíduos que pensam (muito!) antes de agir. Suas decisões nunca são precipitadas e eles pecam apenas pelo perfeccionismo exagerado.

Se você é aficionado por tecnologia, cultura geek (games, quadrinhos, filmes etc) e inovação, é bem provável que esse seja o seu perfil. Não se esqueça de deixar sua inteligência no comando na hora de abrir um negócio.

Outra “nerdice” recorrente é a capacidade de mergulhar profundamente em um único assunto, a fim de se tornar um perito no tema. Empreendedores nerds criam coisas que só poderiam ser feitas por eles mesmos e por mais ninguém.

Eles se aproximam muito dos criativos, mas com a diferença de que não se arriscam tanto quanto estes. Esse ponto indica, inclusive, qual é o seu grande desafio: executar, tendo em vista que o planejamento sempre é feito com o cuidado e a aplicação necessários.

Também são capazes de descobrir muito por meio de seus estudos. Não têm nenhuma preguiça e encaram com grande prazer a obtenção de pós-graduações, cursos livres e afins, porque o aprimoramento é uma vontade constante.

A paixão por aprender mais também funciona como um motor para que o empreendimento sempre se atualize. Assim, ele nunca fica de fora das tendências tecnológicas e operacionais do momento.

Empreendedor inquieto

Esse é o perfil cujo nome mais deixa claro como ele pensa e age. O empreendedor inquieto não se conforma com nada. Na presença de uma vitória grandiosa, ele só consegue desejar uma próxima, que seja ainda melhor.

Geralmente, os inquietos sofreram com uma crise em sua antiga profissão. Cansados da mesmice e das obrigações costumeiras, resolveram partir para uma nova empreitada, em que pudessem controlar suas próprias ambições.

Eles não se rendem ao mediano: querem aquilo que supera suas próprias expectativas — e elas não são nada baixas.

Este perfil pode até não ser um exímio líder, nem um grande estudioso ou alguém dotado de brilhante criatividade. Contudo, se esforça absurdamente para alcançar a excelência em todos esses aspectos o quanto antes.

Quase nunca se rende a uma conquista: enquanto se move em busca de algo maior, não deixa de olhar para outras questões importantes em seu entorno. Jamais cruzará os braços enquanto não encontrar a solução exata.

Infelizmente, essa jornada multitarefa nem sempre é possível e ele pode se sentir fracassado por isso. Caso você preencha esses requisitos, lembre-se de que reconhecer seus próprios feitos de vez em quando é algo essencial.

Rene Rodrigues, professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas), em entrevista concedida à revista Exame, coloca Sean Parker — fundador do Napster — como um representante nato: “Parker é um exemplo típico da geração Y. Irrequieto, sempre buscando coisas novas”.

Empreendedor trabalhador

Parecidos com aqueles que têm a inquietude dentro de si, os trabalhadores também não deixam nada pela metade e não descansam até que tudo esteja devidamente concluído.

Trabalham duro sempre, seja lá qual for o propósito. Estes empreendedores podem, inclusive, desenvolver problemas de estresse e de saúde por conta da rotina incansável que levam.

Portanto, precisam aprender a moderar um pouco mais. O difícil é convencê-los disso. Se você se identificou com este perfil, é porque tem prazer em ver seu empreendimento crescendo e não mede esforços para ajudar nesse desenvolvimento.

A entrega não cessa em nenhuma hipótese: não existem feriados e compromissos paralelos que sejam capazes de tirar seu rigoroso foco do trabalho.

Não se intimida por volumes extensos de tarefas a serem feitas e adora ter responsabilidade sobre diferentes funções. Acredita que empreender é um processo de construção contínua, que carece de comprometimento total com a causa.

O sucesso, para ele, é uma questão de tempo, já que invariavelmente chegará. É possível vê-lo sentindo mais orgulho por fazer algo do que pelas realizações obtidas anteriormente, porque ele nunca para.

É capaz de ler uma pilha de relatórios, fazer várias reuniões e ainda viajar para o exterior em um mesmo dia. Irrita-se com a falta do que fazer e sempre dá um jeito de se envolver com algo que requer sua disposição acentuada.

O trabalhador não se contenta com apenas administrar ou só fazer as projeções: ele almeja se relacionar com todas as atividades de sua empresa, acompanhá-las de perto, colocar a mão na massa e ainda aperfeiçoá-las.

Empreendedor franqueado

Criou-se, com o passar dos anos, a falsa visão de que ser um franqueado é muito diferente de empreender. Afinal, aderir a uma franquia pressupõe o respeito por determinadas regras e condutas prontas.

No entanto, essa percepção está equivocada. Quem garante isso é Filomena Garcia, sócia-diretora da Franchise Store e especialista em marketing, em sua coluna no portal UOL.

Em um de seus textos, a autora diz que “um franqueado terá de saber liderar e motivar uma equipe, decidir sobre as atividades do dia a dia, colocar metas individuais, e acompanhar seus resultados e saber sempre onde ainda pode melhorar”.

Dessa maneira, pode-se dizer que este perfil de empreendedor combina, a sua maneira, às qualidades inerentes aos outros perfis, concatenando-as com o intuito de executar um projeto.

Apesar de esse modelo de negócio ter parte de suas proposições — que partem dos franqueadores — já determinadas, é imprescindível que haja criatividade e capacidade administrativa naqueles que se propõem a investir nessa modalidade.

Engana-se, portanto, quem acredita que ter uma franquia é reproduzir algo preestabelecido. Não há como negar, é claro, a importância de entender a proposta, sabendo de suas particularidades. Para fazê-lo, contudo, é fundamental sair do lugar-comum e agregar novos valores ao conceito.

Quem gosta de superação, tem tudo para se encantar com empreendimento desta estirpe. Uma vantagem é a possibilidade de trabalhar com segmentos distintos: educação, alimentos, cosméticos etc.

Outro ponto interessante de ser um franqueado é poder contar com um apoio significativo para se chegar ao sucesso. Geralmente, profissionais competentes são disponibilizados pelas empresas para dar esse suporte.

Além disso, elas representam um investimento relativamente baixo quando comparadas a outros empreendimentos. O retorno, por sua vez, tende a vir rapidamente, fazendo a iniciativa valer a pena em um período curto.

Você e os perfis de empreendedor

Para entender melhor a ligação entre seus objetivos e as categorias listadas acima, basta olhar para as realizações que você já teve na vida. Sejam profissionais, sejam pessoais. O que você empreendeu? Quais ações partiram de seus desejos? O que, de concreto, você já criou? Do que você gosta?

Responder a essas perguntas e procurar outros exemplos de empreendedores realizados lhe ajudará a encontrar seu perfil. Você também pode fazer um teste de empreendedorismo para sabê-lo com maior precisão.

Faça, antes de tudo, um balanço do quanto você está disposto a investir. Vale frisar que esse investimento não está associado apenas ao dinheiro ou outros recursos materiais. Ele também implica em tempo, comprometimento e todos os outros componentes para que algo seu fique pronto.

Caso você reúna qualidades distintas, de moldes diferentes de empreendedorismo, não se preocupe, porque isso está longe de ser uma má notícia! Ser meio nerd e um pouco integrador pode combinar muito bem com uma franquia. Outras práticas recomendadas são:

  • pesquise;
  • coloque suas vocações à prova;
  • converse com quem te conhece bem;
  • siga seus instintos e escute seus sonhos.

Fazendo isso, logo você saberá em qual segmento pode ter mais sucesso.

Não deixe que detalhes ou a falta de convicção sejam fatores impeditivos para a realização de seu empreendimento. Lembre: quem tem uma empresa e é bem-sucedido hoje já passou por inúmeras dificuldades em momentos anteriores.

Esses perfis de empreendedor são guias para que você se situe em busca do controle de sua rotina e de um futuro melhor para a sua família. Inspire-se neles e tente se identificar para deixar seu próprio legado como empresário.

Se você gostou deste texto e quer saber de outras novidades relacionadas ao mundo dos empreendimentos, curta nossa página no Facebook e não perca nenhum detalhe!

 

Independência financeira: 6 passos para conquistar a sua!

Muitos trabalham por extensos períodos e no final do mês surge uma surpresa bem desagradável: o dinheiro não cobrirá todos os compromissos. E, essa dificuldade em manter a saúde financeira, que atinge boa parte da população brasileira, desequilibra o orçamento familiar e afeta a vida profissional também.

Contudo, é possível reverter essa situação a seu favor. Afinal, para manter as contas no azul, basta ter disciplina e, claro, muita organização. Inicialmente, parece uma tarefa difícil; entretanto, com alguns métodos, deixar o saldo positivo pode ser mais simples do que parece.

Gostaria de saber como conquistar a sua independência financeira, fechar o mês tranquilamente e com chances de criar uma poupança expressiva?  Confira, então, 6 superdicas para garantir um padrão de vida invejável!

1. Registre a movimentação financeira

Colocar cada detalhe no papel e anotar toda a movimentação do dinheiro é o primeiro passar para conseguir a autonomia financeira. O mais recomendado, nesse quesito, é registrar tanto as despesas quanto as receitas. Faça uma planilha completa e especifique tudo.

Em relação às despesas, não se esqueça de discriminar o tipo de gasto. Vale desde uma simples compra no mercado, até mesmo o pagamento do aluguel. O intuito, aqui, é ter pleno conhecimento da utilização da verba e, principalmente no que está sendo gasto o seu dinheiro.

São estratégias para entender melhor o fluxo financeiro e fazer os devidos ajustes para eliminar gastos desnecessários. Portanto, tenha o planejamento e a organização como prioridade, o que tornará todo o processo mais transparente e fácil de você acompanhar.

2. Estabeleça metas e planos

Outro aspecto que vai ajudar a economizar algum dinheiro para utilizar com aquilo que você realmente ama é estabelecer metas — tanto a curto, quanto a médio e longo prazo.

Não existe uma regra aqui. O importante é definir bem os seus propósitos para os próximos anos — seja fazer uma viagem para o exterior, seja abrir o seu próprio negócio, tornando-se um empreendedor. Ao determiná-las, saberá que cada sacrifício feito é em prol de um objetivo maior.

No entanto, não é só isso. É preciso também pensar em estratégias capazes de viabilizar as suas metas. Afinal, de nada adianta ter os objetivos bem definidos sem ter uma atitude para torná-los reais, não é mesmo?

A implementação dessas ações vai proporcionar mais motivação para se programar financeiramente. E, logo você perceberá que o seu desejo pode, sim, ser realizado. Sabe aquele sonho que já foi adiado diversas vezes devido a falta de recursos? Pois então, você pode, enfim conseguir colocá-lo em prática.

3. Evite empréstimos

Com o intuito de quitar as contas de uma vez, as pessoas pensam que a solução é realizar outras dívidas. Nesse caso, elas esquecem de analisar as taxas cobradas pelo banco, que normalmente são astronômicas. Ou seja, fuja dos empréstimos.

Se você está endividado, que tal tentar renegociar o valor juntamente ao credor? Empréstimos, em geral, não compensam porque você estará apenas mudando a dívida de lugar. E, ainda com o risco de pagar juros altos.

Renegocie a dívida com parcelas que, de fato, cabem no seu orçamento. Afinal, de nada adianta fazer um compromisso que você não conseguirá honrar.

Vale ressaltar que o empréstimo, muitas vezes, é o principal motivo pelo qual a situação financeira de qualquer indivíduo transforma-se numa bola de neve. Quando  a pessoa percebe, o dinheiro está sendo utilizado simplesmente para pagar multas e juros e a dívida original continua lá.

4. Extermine os cartões de crédito

Claro que se usado corretamente, o cartão de crédito pode ser um grande aliado, visto que o portador tem alguns dias para pagar a conta — isso sem falar na questão da possibilidade de parcelamento.

Mas, quando não há um controle rígido, o uso incorreto dos cartões torna-se no vilão que impede o sonho da estabilidade financeira.

Outro ponto desvantajoso do cartão é que ele pode estimular a pessoa a fazer dívidas, muitas vezes, desnecessárias. O motivo é simples: o dinheiro não está saindo do bolso naquele momento. Porém, quando a fatura chega, a pessoa percebe o estrago feito.

O mais recomendado, nesse contexto, é optar por compras no débito ou à vista. Ainda mais quando a empresa disponibiliza descontos. Deve-se desenvolver essa prática para evitar problemas futuros. Ou seja, se não tem dinheiro, não compra.

5. Adote um estilo de vida equilibrado

Pessoas endividadas, em geral, tentam manter um padrão de vida muito acima do permitido. Em outras palavras, elas vão em restaurantes caros, compram o celular da moda, adquirem roupas para ostentar grifes famosas e andam em automóveis luxuosos.

Entretanto, para manter esse estilo é preciso despender um valor elevado. Contudo, nem sempre o indivíduo tem um salário condizente com a vida que gosta de ostentar.

Talvez seja necessário refletir mais sobre isso, superar o consumismo exacerbado, evitar endividar-se e viver com simplicidade; porém, mais feliz.

O mal da sociedade contemporânea é pensar que a felicidade está nas coisas. De nada adianta usar objetos caros sabendo que não terá dinheiro para pagá-los. Por isso, não caia nesse erro. Saiba administrar bem os seus recursos com sabedoria e equilíbrio.

6. Reserve uma quantia da sua remuneração

Quando alguém quer emagrecer, qual é a atitude mais adequada? Além de malhar e ter uma alimentação balanceada, o ideal é que a quantidade de calorias queimadas no dia a dia seja maior do que as ingeridas, certo?

O raciocínio é o mesmo no mundo das finanças. Para conquistar a tão desejada independência financeira é fundamental gastar menos do que o valor recebido mensalmente. Não tem erro nesse cálculo. Pense nisso!

Faça um planejamento estruturado e certifique-se de guardar uma porcentagem do seu salário. Como já dizia o ditado, de grão em grão, a galinha enche o papo. Isso significa que, em questão de tempo, você conseguirá poupar um montante expressivo.

A conquista da independência financeira acontece por meio de um processo gradual. Não basta, por exemplo, manter as contas em dia e não se programar para poupar recursos. Assim, é preciso seguir à risca todos as etapas, pois cada aspecto está diretamente ligado com o sucesso dessa missão.

Gostou do conteúdo e quer receber mais dicas exclusivas? Então, siga-nos nas redes sociais. Estamos no Facebook, Instagram, LinkedIn e Twitter — nos vemos por lá!

Planilha-de-Controle-Financeiro

Onde investir o FGTS? Veja 3 opções!

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) é um valor acumulado pelos trabalhadores formais ao longo de suas carreiras. Enquanto há um contrato de trabalho, o empregador é obrigado a depositar 8% do valor do salário, mensalmente, para a formação do FGTS − que antes do trabalhador se aposentar, poderá ser sacado em situações especificas.

Muitos têm dúvidas sobre onde investir o FGTS, afinal, geralmente é um valor considerável. Então, é importante acompanhar mensalmente os seus rendimentos, estar atento às regras para utilização e, claro, fazer planos para investir seu dinheiro da melhor forma possível.

Neste post, você vai entender melhor o que é o FGTS, em quais situações você poderá sacá-lo e também dicas sobre os melhores tipos de investimentos para você multiplicar seus ganhos. Confira!

O que é o FGTS e como usá-lo?

O FGTS foi criado pelo Governo Federal com o intuito de proteger o trabalhador formal de demissões sem justa causa. Todos os meses, o empregador é obrigado a depositar na conta do Fundo de Garantia de cada trabalhador o que corresponde a 8% do seu salário.

Ou seja, todos os trabalhadores registrados pela CLT têm direito a esse benefício, que pode ser solicitado em situações específicas. A primeira condição para você sacar o FGTS é ter sido demitido sem justa causa. O término de contrato por prazo determinado também possibilita a retirada do valor.

Há outras condições que permitem o saque do FGTS:

  • rescisão de contrato por conta de extinção da empresa;
  • aposentadoria;
  • necessidades pessoais decorrentes de situações de risco causadas por desastres naturais;
  • falecimento do trabalhador;
  • idade igual ou superior a 70 anos;
  • trabalhador ou dependente portador de HIV ou neoplasia maligna;
  • estágio terminal caracterizado por doença ou afastamento do trabalhador por 3 anos consecutivos fora do regime CLT.

Além do mais, o Governo Federal autorizou, neste ano, o saque do FGTS referente às contas inativas. Uma medida inédita para promover o aquecimento da economia e que deu ao trabalhador a chance de usar o dinheiro para a aquisição de bens ou mesmo apostar em investimentos.

Onde investir o FGTS?

Tudo vai depender do seu perfil, pois existem diversas possibilidades de investimentos que vão fazer o seu dinheiro do FGTS render. Comece analisando quais são os seus objetivos, se poderão ser cumpridos a curto ou longo prazo e também qual será o tipo de rendimento que você quer ter.

Por exemplo, há quem se preocupe em ter uma aposentadoria tranquila, não contando apenas com o INSS. Por isso, desde cedo aposta também nas previdências privadas, que funcionam como um complemento para a renda do trabalhador. Esse é um exemplo perfeito para quem pensa a longo e médio prazo.

No entanto, há também quem prefira fazer planos que poderão ser realizados a curto e médio prazo e que precisam do dinheiro mais rapidamente. Situações como troca de imóveis ou veículos, por exemplo, nem sempre podem esperar por um longo tempo. Levando tudo isso em consideração, é preciso que você determine quais são seus planos antes de pensar em investir o dinheiro.

 

 

1. Aplicações

Hoje, o mercado oferece uma série de investimentos compatíveis com diversos tipos de rendas. O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um título de renda fixa que, desde o início, informará exatamente o quanto você irá receber como rendimentos. Já o Tesouro Direto são títulos públicos que oferecem a garantia de que o próprio Governo Federal pagará seus juros ao final de um contrato pré-determinado.

Essas duas opções são compatíveis para quem tem planos para médio e longo prazo, além de oferecer um alto nível de segurança quanto ao retorno do seu dinheiro. Há outros tipos de investimentos mais arriscados, mas que também oferecem melhor rentabilidade, como ações na bolsa de valores.

Mesmo para investidores com pouca experiência, eles se tornam boas alternativas, assim como os fundos de investimentos. Afinal, existirá um time de especialistas administrando o seu dinheiro. Lembre-se de que tudo oferece vantagens e desvantagens. Por isso, a principal dica a ser seguida é definir quais são os planos a partir dos investimentos.

2. Casa própria

Uma alternativa muito comum usada para quem tem acesso ao dinheiro do FGTS é a aquisição de um imóvel. Caso seja o seu primeiro imóvel, é importante estar atento às regras estipuladas pela Caixa Econômica Federal quanto ao uso do crédito, pois uma delas diz que será preciso residir no imóvel financiado, por exemplo.

O FGTS poderá ser disponibilizado tanto para a compra de uma casa, quanto para uma reforma, com a opção de ser parte do pagamento ou o valor total. Para essa finalidade, a Caixa facilita a liberação do valor, pois basta que o trabalhador vá até uma agência com a documentação necessária.

Lembrando também que, caso você já tenha um imóvel quitado, uma alternativa interessante é financiar um melhor e fazer da primeira opção uma fonte de rendas através de alugueis. Esse, aliás, é um dos tipos de investimento preferidos entre os brasileiros, pela segurança e facilidade que proporciona.

3. Novo empreendimento

Uma matéria sobre investimentos não poderia deixar de citar os benefícios de se ter um negócio próprio. Apostar no empreendedorismo continua valendo a pena, especialmente se você focar no crescimento da empresa a médio e longo prazo.

A abertura de franquias se enquadra nessa categoria e, por ser um negócio consolidado, é o modelo perfeito para o novo empresário. Entre as vantagens oferecidas pelas franquias estão assistência e suporte especializado ao franqueado, modelo de negócios e plano de expansão já definidos e, normalmente, uma marca já consagrada.

Ou seja, já existe um time por trás da rede de franquias cuidando do planejamento diário do negócio. Com isso, sua função como franqueado será a de se inteirar dos valores da empresa, aprender com os treinamentos oferecidos e estar 100% presente em todas as etapas da implantação do projeto, como avaliação de custos e até mesmo no dia a dia da empresa.

Ficou interessado em alguma dessas dicas sobre onde investir o FGTS? Aproveite para entrar em contato com a Jumper, pois temos uma ótima solução de investimento para você!

Como organizar o tempo no dia a dia? Veja 7 dicas!

Você já teve dúvidas sobre como organizar melhor seu tempo no dia a dia? Às vezes, esse objetivo parece difícil de alcançar em meio a tantos afazeres, não é mesmo?

Porém, com a devida organização, é totalmente possível cuidar do seu tempo para que ele seja utilizado com obrigações, tarefas, hobbies e momentos com familiares e amigos.

Cada um tem uma maneira própria de se organizar, que funciona melhor para seu estilo de vida e personalidade. No entanto, algumas dicas são muito úteis para otimizar a qualidade do seu tempo. Veja a seguir 7 ideias de como organizar o tempo no dia a dia:

1. Crie planejamentos, cronogramas e listas de tarefas

Planeje como você vai usar o seu tempo, anotando tudo o que tem para fazer. Para isso, crie um cronograma ou um planejamento onde você possa colocar todos os seus afazeres com prazos, datas e compromissos. Organize diariamente, semanalmente ou mensalmente, de acordo com sua preferência e necessidade.

Outra possibilidade é fazer listas com suas tarefas e metas. Anote tudo o que precisa ser feito e, para facilitar, divida as atividades em categorias. Por exemplo, separe as obrigações do trabalho das de casa.

Divida os afazeres de acordo com suas prioridades. Destaque o que é urgente do que é mais ou menos importante e leve isso em conta na hora de decidir o que fazer primeiro.

As listas, cronogramas e planejamentos são ótimos recursos, uma vez que te permitem uma melhor visualização das suas tarefas, distribuindo-as de forma organizada de acordo com o seu tempo. Se você preferir usar tecnologia, existem também diversos aplicativos com essas funções.

2. Organize a sua casa e o espaço de trabalho

Arrumar os ambientes em que você passa a maior parte do seu dia faz muita diferença no momento de organizar o tempo no dia a dia. Sabe por quê?

Além de deixar tudo mais prático para você, um ambiente organizado torna as suas atividades diárias bem mais agradáveis!

Por isso, mantenha a sua casa e o seu espaço de trabalho bem organizados, separando os materiais que você mais precisa em um local de fácil acesso, e cuide para preservar a higiene e o conforto nesses locais.

3. Não perca tempo com a procrastinação

É muito fácil se distrair com qualquer coisa ou adiar tarefas importantes sem motivo. Isso pode ser bastante prejudicial, tanto para a sua produtividade como para o aproveitamento do seu tempo.

Sendo assim, na hora que você se dispôs a fazer suas obrigações, tenha foco, evite distrações como celular, vídeos na internet, troca de mensagens e redes sociais.

Distribua as suas atividades ao longo do dia de modo que não te sobrecarregue e tente realizá-las no momento adequado, sem deixar para depois. O seu tempo vai render muito mais, a sua produtividade vai aumentar e, provavelmente, ainda vão restar momentos livres no dia para você aproveitar!

 

 

4. Crie prazos

Se organize e mantenha o foco nos seus afazeres. Estabeleça prazos para a realização e a conclusão de cada tarefa.

Além de ajudar a distribuir melhor as suas atividades diárias, essa atitude é um incentivo para você se dedicar e não procrastinar. Automaticamente, você busca cumprir a sua meta pessoal de ter tudo pronto dentro do limite estabelecido, o que faz o seu cérebro se empenhar mais naquele foco.

5. Adote técnicas como a Pomodoro

Existem técnicas específicas que ajudam como organizar o tempo no dia a dia e ainda otimizar a sua produtividade. Aqui, vamos usar o exemplo da técnica Pomodoro, desenvolvida por Francesco Cirillo.

O termo “pomodoro” significa “duas horas”. O método consiste no seguinte: você se dedica à sua tarefa durante 25 minutos, sem interrupções. Depois, faz uma pausa de 5 minutos para descansar, retornando à atividade em seguida. Isso vai se repetindo e, quando forem atingidas 2 horas, a pausa pode ser maior (de 30 minutos, por exemplo).

Pode ser difícil você seguir essa técnica à risca, cumprindo os minutos certos. Às vezes, você pode achar que não deve interromper a tarefa naquele prazo, além do mais, cada um tem o seu tempo. No entanto, o que vale é a ideia de fazer pequenas pausas ao longo das atividades. Isso ajuda a não se cansar tanto e, assim, ter um rendimento maior.

6. Conheça e respeite o seu próprio tempo

Como você já viu, cada pessoa funciona de um modo único e, da mesma forma, o tempo de cada um também é diferente. Mesmo assim, ainda temos o mau costume de sempre nos compararmos aos outros. Isso acaba trazendo a falsa ideia de que somos desorganizados e pouco produtivos.

A verdade é que o seu rendimento não é pior ou melhor do que o de alguém, só porque você produz mais ou menos do que o outro ou suas formas de organização são diferentes. Todos têm seus pontos fortes e fracos, facilidades e limitações.

O importante é que você descubra o seu jeito de organizar o tempo no dia a dia, conseguindo produzir sem estresse ou sobrecarga. Se cobrar demais ou tentar imitar alguém que funcione de outro modo dificilmente vai te trazer vantagens.

7. Se recompense a cada tarefa cumprida e separe um tempo livre

Encontre formas de se recompensar pelas tarefas cumpridas. Além de trazer um prazer a mais para a sua rotina, te estimula e aumenta sua motivação e produtividade. São várias as opções: escolha, por exemplo, coisas pequenas e simples, como assistir a um filme, comer algo que goste ou passar um tempinho navegando na internet.

Não se esqueça de separar um tempo para descansar, se divertir e cuidar da saúde! Fazer exercícios, ficar com as pessoas queridas, passear, se dedicar a um hobby ou, simplesmente, não fazer nada e dormir também são partes importantes da vida e precisam de tempo dedicado a elas!

O que você achou das nossas dicas de como organizar o tempo no dia a dia? Esperamos ter ajudado! Se você gostou, compartilhe este post nas suas redes sociais e passe essas ideias a diante. Até mais!

Crise dos 30: como lidar com a insatisfação profissional

Depois dos primeiros anos de carreira, é comum que os profissionais se sintam desmotivados e com alguma limitação de energia. Conhecida como crise dos 30, essa fase é marcada pela insatisfação pessoal e profissional, motivada pela pressão pelo sucesso esperado daqueles que atingem os 30 anos.

O desejo crescente de ter mais tempo para a família, para viajar ou mesmo para investir, não ter alcançado o auge da carreira ou a própria independência financeira são apenas alguns fatores que acabam agravando a situação.

A boa notícia é que essa é apenas uma fase e, com a ajuda de algumas técnicas, pode se tornar a guinada tão esperada para a sua carreira e para a sua vida pessoal. Descubra agora mesmo como lidar com a insatisfação e superar a crise dos 30!

Quais suas causas?

Como você já deve ter percebido, esse conflito interno pode ser desencadeado por uma série de fatores. Vamos conhecer alguns deles?

Carreira estagnada

O conforto de uma função já conhecida, ter uma rotina definida e conquistar estabilidade financeira podem ser armadilhas que levam a uma carreira estagnada. Quando as atividades no trabalho se tornam um hábito e atingir os resultados que a liderança espera já não são mais desafios, é preciso tomar cuidado para não entrar em um ciclo de combate à sua criatividade e motivação.

Ter o salário depositado na conta bancária ao fim do mês pode até ser um bom fator motivador, porém, não trará emoção suficiente para a sua vida profissional. Por isso, é preciso buscar o desenvolvimento constante e as novas oportunidades.

Que tal conferir algumas dicas para movimentar a sua carreira? Você pode:

  • assumir riscos e enfrentar pequenas mudanças ou desafios diários;
  • começar um novo curso de especialização ou idioma;
  • diversificar os grupos com os quais você interage;
  • empreender dentro da própria empresa;
  • ir além do que a sua função determina.

Vida pessoal e profissional em descompasso

Outra causa bastante frequente do desencadeamento da crise dos 30 é a falta de sincronia entre a vida pessoal e a profissional. É preciso buscar o equilíbrio entre ambas e, ao mesmo tempo, fazer com que elas se complementem. Afinal, ter uma vida profissional que não condiz com os seus sonhos pessoais é um atalho perfeito para a insatisfação!

O passo mais importante para alinhar esses dois pilares é o autoconhecimento. É a partir dele que você terá condições de estabelecer objetivos que sejam coerentes com a pessoa e o profissional que você é. Assim, alcançar uma meta profissional não é gratificante apenas pela realização, mas porque também aproxima você do seu propósito de vida.

Poucas chances de alcançar postos de chefia

Não conseguir escalar a hierarquia da empresa é uma condição bastante frustrante, não é mesmo? Ainda mais se a empresa não possui um plano de carreira ou se o seu chefe não parece muito receptivo à ideia de uma promoção.

Uma dica bastante válida, principalmente para quem trabalha em uma empresa sem um plano de carreira definido, é conversar com o seu supervisor sobre a sua preparação para receber uma promoção. Se dispor para traçar uma qualificação profissional pode ser uma forma proativa de demonstrar o interesse pelo seu crescimento!

Dúvidas sobre a escolha profissional

A escolha profissional tem tudo a ver com quem você é quando não está no trabalho. Se essas duas esferas da sua vida não estão andando juntas, é melhor repensar seus caminhos. É normal que próximo dos 30 anos você comece a questionar as suas escolhas, se elas foram e serão o melhor para você sob vários aspectos, inclusive financeiramente.

É importante reconhecer os motivos que levaram você até sua vida atual, desde os empregos que você teve até as pessoas com quem escolheu interagir no happy hour.

Por quê? Porque isso o ajudará a encontrar quem você realmente é e o que busca com a sua escolha profissional. Além, é claro, de apontar se você está ou não caminhando em direção aos seus sonhos.

É preciso avaliar: o seu trabalho realmente não deu oportunidades para que você impulsionasse a sua carreira, ou você simplesmente já não tem interesse em se dedicar à área em que você atua?

Quais são os sintomas?

O sucesso se torna algo bem mais simples para quem entende a seguinte dinâmica: quanto mais feliz e satisfeito você trabalha, melhor realiza as suas funções, gerando mais renda e conquistando maior estabilidade financeira e bem-estar. É um ciclo!

Por isso, não se trata apenas de escolher uma profissão que “dê dinheiro”, mas, sim, de escolher algo que gere prazer e satisfação sempre que você o realizar. Quanto mais disposto você estiver para fazer com que as coisas funcionem, melhor serão os seus resultados.

Assim, de nada adianta um emprego cuja remuneração é excelente, se você chega em casa exausto e sem motivação para aproveitar um tempo com a sua família.

Os sintomas são relativamente simples e estão quase todos ligados a questionamentos como:

  • “A minha profissão é fruto dos meus sonhos e das minhas aspirações, ou apenas dos desejos alheios?”
  • “Essa é a área na qual quero atuar quando estiver com 40 anos?”
  • “Conseguirei alcançar minha independência financeira seguindo esse emprego?”
  • “Eu sou feliz e realizado atuando nessa área?”
  • “Estou no mesmo estágio profissional que a média de pessoas da minha idade?”
  • “Minha profissão vai me permitir aproveitar a vida e prezar pelo meu bem-estar?”

 

 

Se você identificou alguma dessas perguntas de forma recorrente na sua vida, não se preocupe. Separamos as melhores formas de superar essa fase!

Como enfrentar a crise dos 30?

A tão temida crise dos 30 bateu à porta. E agora? Não se desespere! Esse pode ser o momento ideal de despertar a sua carreira e dar aquela guinada profissional. Quer saber como?

Experimente o coaching

O coaching é um método de ressignificação de objetivos pessoais e profissionais para auxiliar na busca por propósitos consistentes, que sejam capazes de gerar satisfação e, ao mesmo tempo, resultados.

Sua função é disponibilizar uma série de questionamentos e ferramentas, a fim de identificar quais são os comportamentos que podem estar sabotando a sua performance. O coaching ajuda a:

  • organizar o seu tempo;
  • estabelecer prioridades;
  • trabalhar em equipe;
  • pedir ajuda ao executar tarefas;
  • escutar as pessoas;
  • estabelecer bem-estar social;
  • cuidar da sua saúde​;
  • buscar autoconhecimento.

Invista na sua formação

Uma ótima forma para alçar novos voos dentro da sua empresa ou mesmo para conseguir uma recolocação profissional é investir na sua formação. Buscar conhecimento é uma das maneiras mais eficazes para se reencontrar e descobrir como desempenhar suas tarefas de forma satisfatória para a empresa e para você mesmo.

Pense além do óbvio, invista na diversificação do seu conhecimento e torne-se um profissional multifuncional, capaz de se destacar em qualquer atividade. Busque formas de se qualificar, seja por meio de cursos profissionalizantes ou mesmo de uma pós-graduação.

Aprenda um novo idioma, estude a criatividade, aprenda sobre relacionamentos interpessoais. Ainda que pareçam áreas distintas, em algum momento elas se complementarão, fazendo de você um profissional diferenciado.

Aposte em empreendedorismo

Se, mesmo assim, você ainda sente que não é o suficiente para dar aquela virada no jogo, então considere a possibilidade de apostar em empreendedorismo! Se você sente uma motivação especial por identificar problemas e oportunidades e consegue alocar recursos para resolvê-los, o empreendedorismo é feito para você.

Algumas pessoas só conseguem se sentir felizes e realizadas ao perceber que suas atividades resultam em mudanças e geram impactos positivos no ambiente em que estão inseridas. Se você se identifica com essa necessidade, talvez esteja na hora de considerar investir no seu próprio empreendimento.

A crise dos 30 é uma angústia real para inúmeras pessoas que chegam a essa fase da vida. O mais importante é identificá-la e tomar as melhores providências para lidar com ela. Agora que você já conhece um pouco mais sobre este assunto, que tal curtir a nossa página no Facebook e ficar por dentro de todas as novidades?

 

perfil-empreendedor

Afinal, o que é empreender?

Vemos diariamente diversas notícias, artigos e comentários sobre empreendedorismo, mas, para quem ainda não tem muita familiaridade com esse conceito, ainda pode ficar uma dúvida crucial: afinal, o que é empreender?

Neste post, explicaremos melhor esse conceito e apresentaremos algumas das principais vantagens do empreendedorismo. Continue lendo e confira!

O que é empreender?

Para explicar de uma maneira simples, empreender é utilizar uma ideia inovadora de negócio, na qual se acredita, e trabalhar muito para colocá-la em prática.

Empreender é ter visão, é saber enxergar as possibilidades de sucesso que uma ideia tem, planejá-la e executá-la. Ou seja, não é apenas criar ou abrir o próprio negócio, mas sim gerenciá-lo com muita paixão e força de vontade.

O empreendedorismo compreende tanto a abertura de um novo negócio — físico ou não —, quanto a aquisição de uma franquia, ou ainda a fundação de instituições sociais, que visam a trazer algum benefício para a sociedade.

Até os colaboradores proativos, que dão ideias inovadoras para o desenvolvimento de projetos dentro de uma empresa e participam da sua execução, também podem ser considerados empreendedores.

O que é necessário para se tornar um empreendedor?

Apesar de não ser uma regra absoluta, para se tornar empreendedor, algumas características são importantes. Confira!

Autonomia

Para ser empreendedor, o profissional não pode ter nenhum tipo de problema em assumir grandes responsabilidades. Ele deve ter total autonomia, autoconfiança e segurança para decidir os melhores caminhos para o seu negócio.

Boas ideias

Muitas vezes, o lado empreendedor de alguém nasce de uma boa ideia. A criatividade e a inovação são essenciais para empreender, pois são características úteis tanto para criar a ideia de um negócio quanto para lidar com as adversidades de maneira simples, rápida e eficiente.

Empenho

Empenho e dedicação são indispensáveis ao empreendedor, especialmente na fase inicial de seu negócio, onde tudo começa apenas com uma ideia e um grande sonho.

O empreendedor precisa estar disposto a dispender muito tempo em seu projeto e estar preparado para lidar com problemas de todos os tipos, sem desistir. Afinal, é esse empenho e persistência que vão fazê-lo alcançar o sucesso.

Coragem de assumir riscos

Um verdadeiro empreendedor sabe que errar faz parte do processo de crescimento e aprendizado e, por isso, não tem medo de assumir riscos.

E claro que todas as suas decisões são baseadas em muita pesquisa e planejamento, mas ele sabe que a abertura e o gerenciamento de um negócio não é uma ciência exata, e, dentro de seu planejamento, já estabelece outros planos para o caso de algo dar errado.

 

perfil-empreendedor

 

Quais as principais vantagens de empreender?

Para você que está pensando em empreender e estudando tudo sobre o assunto e suas possibilidades, veja, a seguir, algumas das principais vantagens de se tornar um empreendedor:

Horários flexíveis

Quando falamos de horários flexíveis, não queremos dizer que o empreendedor trabalha menos do que um trabalhador comum, já que, na maioria das vezes, ele trabalha muito mais do que um funcionário.

Entretanto, o empreendedor pode escolher quando e onde trabalhar. Ele pode acordar mais cedo para trabalhar em seu projeto ou acordar mais tarde e se dedicar a isso durante a madrugada.

Ele não tem a necessidade de estar sempre presente fisicamente na empresa, por exemplo, já que seu trabalho é muito mais estratégico. Então, pode distribuir suas tarefas de trabalho pelos horários em que achar mais conveniente.

Maior satisfação profissional

Um dos maiores motivos que fazem os profissionais largarem suas carreiras e cargos habituais para começar a empreender é a busca de uma maior satisfação profissional.

Trabalhar com um propósito bem definido é o que faz o empreendedor ter garra e coragem de investir seu tempo e seus recursos na concretização de um projeto.

Facilitar a vida das pessoas, impactar positivamente a sociedade, contribuir com uma educação de qualidade e descobrir novas soluções tecnológicas são apenas alguns dos exemplos de propósitos que o empreendedor incorpora quando inicia sua empresa.

Além de tudo isso, a autonomia para liderar a equipe da sua própria maneira, com base nos valores em que acredita, e colher os resultados de tudo isso, gera uma satisfação profissional — e até pessoal — incomparável.

Mais tempo para a família

Com a possibilidade de ter horários mais flexíveis, os empreendedores passam a disponibilizar muito mais tempo para curtir a sua família e os seus amigos.

Pode escolher quando e onde trabalhar, o que lhe proporciona mais tempo para valorizar o que realmente importa.

Poder participar de reuniões na escola dos filhos ou encontros familiares aos sábados, entre outras coisas que são muito difíceis na vida de um colaborador de uma empresa, também é uma vantagem que pesa bastante na escolha pelo empreendedorismo.

Aprendizado constante

Empreender é um aprendizado constante, já que esse tipo de gestor deve estar sempre ligado à todas as novidades e tendências do segmento ao qual está inserido.

Conversar com outros empresários e empreendedores, participar de cursos, feiras, congressos, palestras, escutar seus clientes, funcionários, fornecedores, entender processos e ferramentas tecnológicas… Tudo isso agrega muita informação e conhecimento na vida do empreendedor, e esse aprendizado constante certamente fará a diferença em sua tomada de decisões.

Além de tudo isso, há também o aprendizado adquirido com os erros. Sim, os erros acontecerão e, por mais detalhista que seja o seu planejamento, nem tudo vai dar certo sempre. O melhor a ser feito é enxergar esses enganos como ensinamentos do que não repetir no futuro.

Poder de decisão

Estar no controle do seu próprio negócio é algo que chama a atenção de muita gente. Ter o poder de fazer as escolhas do seu projeto é algo que vem carregado de muita responsabilidade, mas também satisfação.

Essa liberdade de poder decidir o que é melhor para o seu negócio é uma vantagem poderosa. Afinal, muitos profissionais já carregam consigo o perfil de líder, e não ter autonomia para, ao menos, expressar suas opiniões, é extremamente frustrante.

Não ser punido ou podado ao tomar decisões importantes para o seu negócio e poder buscar as soluções ideais onde você acredita que vai encontrá-las é o que pode fazer com que você crie coragem para tomar a decisão de empreender!

Agora que você já entendeu melhor o que é empreender, siga nossas páginas nas redes sociais — Facebook e Instagram — e tenha acesso a mais dicas sobre empreendedorismo e negócios!

Confira 8 opções para abrir um negócio próprio

Para muitas pessoas, trabalhar com carteira assinada não é o suficiente. Algumas precisam ter mais autonomia, seja para controlar o próprio horário ou melhorar o faturamento. Felizmente, existem várias opções para abrir um negócio próprio, desde que você saiba onde está entrando.

Claro, não é uma tarefa muito fácil. Você precisa conhecer o setor onde quer trabalhar, estudar o mercado, encontrar o lugar mais adequado para abrir o negócio, talvez fazer alguns cursos para se especializar e comprar um equipamento específico. Exige esforço, isso é fato. Mas se você fizer tudo corretamente, o resultado pode compensar seu trabalho facilmente.

Sabemos que você terá que passar por alguns desafios antes de conseguir retorno financeiro. Para te ajudar com a sua escolha, trouxemos aqui uma lista de negócios bem promissores nos quais você pode investir. Confira:

1. Alimentação diferenciada

Comer é necessário. Ninguém vai deixar de comprar comida, independentemente do corte no orçamento familiar. Por isso, entre todas as opões para abrir um negócio, esta é uma das mais seguras. Porém, nem todo mundo pode comer todo tipo de comida. Alguns têm intolerância a glúten, ou são alérgicos a iodo, entre outras restrições.

Para estas pessoas, é muito difícil conseguir comer em restaurantes sem ter nenhuma complicação. Isso significa que elas são, geralmente, um nicho de mercado bastante inexplorado. Ao criar um restaurante, serviço de entregas ou similar, oferecer opções para esse tipo de pessoa pode ser um ótimo negócio.

2. Beleza masculina

Já notou como vários homens estão cada vez mais vaidosos? Aumentou a preocupação com o estado da barba, o uso de perfumes e de penteados especiais, entre outras coisas para elaborar mais a aparência, e muitos negócios já estão aproveitando essa nova e crescente demanda. Há cada vez mais barbearias se especializando neste público, que promete apenas crescer. Estima-se que este mercado movimentou mais de R$19 bilhões em 2016.

Nesse tipo de negócio, o diferencial não está apenas na beleza, mas em toda a experiência. Pense nisso como uma evolução dos velhos grupos masculinos, como bares. Agora, as barbearias são ponto de encontro para assistir a campeonatos esportivos, jogar videogames, beber e se divertir de forma geral. E, claro, caprichar na barba.

3. Cursos de idiomas

Outra das opções para abrir um negócio próprio que parece nunca sair de moda é o aprendizado de línguas estrangeiras. Afinal, profissionais multilíngues são altamente valorizados no mercado. Se você tem domínio e formação adequados para ensinar esses idiomas, nada mais justo do que ganhar algo em troca.

Certas línguas, como inglês e espanhol, são altamente valorizadas no mercado. Mas outras opções, como alemão, mandarim e francês também possuem bastante busca. E não pense que não haverá tanta demanda para as línguas “secundárias”: muitas pessoas aprendem idiomas apenas por diversão, sem intenções profissionais.

 

 

4. Franquias

Com todos os riscos envolvidos em abrir o próprio negócio, é compreensível que muitos profissionais fiquem intimidados e optem pela maior segurança de um emprego estável. Porém, existe um bom meio termo: o modelo de franquia. Basicamente, você investe em uma grande empresa e ganha o direito de usar seus métodos e propriedade intelectual abrindo uma filial. E algumas opções podem sair por pouco mais de mil reais em investimento inicial.

Em troca, você pagará uma porcentagem do seu lucro, recebendo o equipamento e as instruções necessários para trabalhar. O resultado é que você consegue aproveitar todas as vantagens de uma marca já consolidada sem ter que passar pelas mesmas dificuldades de um novo empreendedor. Mesmo com o pagamento dos royalties, seu rendimento ainda será bem maior do que o de um novo negócio.

5. Lojas virtuais

De todas as opções para abrir um negócio próprio, o e-commerce parece um dos mais recorrentes. A maioria dos produtos comercializados hoje em dia pode ser entregue pelos correios, o que te permite vender para pessoas em qualquer lugar. E, com o alcance da internet, é possível encontrar qualquer pessoa interessada no seu produto.

Com uma loja virtual, você precisa se preocupar bem menos com estoques e pontos de vendas, já que tudo se resolve por meio do computador. Dependendo do produto, você pode fazer pedidos exclusivamente sob demanda, sem jamais ter que liberar espaço para acumular itens para sua loja.

6. Pet shops

Animais de estimação sempre são amados pelos seus donos. E muitos desses humanos estão dispostos a investir bastante no bem estar e na aparência de suas mascotes. Isso pode ir desde um banho especial por mês até uma roupa completamente decorada para um desfile. E, acredite, há muita demanda para isso, pois este setor já fatura mais de R$18 bilhões por ano.

Se você abrir um estabelecimento assim no lugar certo, vai receber dúzias de clientes trazendo seus bichinhos. E se você vender alguns produtos complementares, como pentes especiais, coleiras antipulgas, rações mais saudáveis e petiscos, pode conseguir uma clientela fiel com mais facilidade.

7. Produtos personalizados

Muitos consumidores querem mais do que opções. Eles querem colocar um pedaço de si em cada coisa que compram. Esse é o caso de quem busca roupas, acessórios, eletrônicos, decoração, entre outras peças que podem ser personalizadas para se adequarem às suas demandas. Se você tem alguma habilidade para isso, essa pode ser uma das melhores opções para abrir um negócio próprio.

Algo vantajoso nesse trabalho mais artesanal é que, dependendo do produto, haverá sempre alguma demanda. Camisas com estampas únicas ou roupas feitas para eventos específicos nunca ficam sem procura. Basta focar no nicho certo e sempre haverá um número razoável de clientes.

8. Saúde e bem-estar

Viver com saúde é uma das metas de muitas pessoas. Por isso tantas se exercitam, fazem dietas balanceadas e tentam encontrar outras atividades que melhorem o corpo. Se você tem alguma formação em áreas como fisioterapia, educação física ou nutrição, certamente pode começar um negócio para atender a esse público.

Você não precisa de necessariamente ser um atleta para ensinar alguém a fazer exercícios aeróbicos. Meditação, yoga, entre outras atividades similares, podem melhorar muito o desempenho físico, evitar o cansaço prolongado e melhorar o humor de forma geral. Se você se sente melhor quando pratica essas atividades, pode acreditar que outras pessoas também estarão interessadas.

Agora que você conhece algumas opções para abrir um negócio próprio, que tal ir mais afundo no assunto? Entre em contato com JUMPER! Franchising e tire suas dúvidas sobre o nosso sistema de franquia! Você pode se tornar um de nossos franqueados em nossos cursos e aumentar ainda mais sua renda.