transformamos a vida de milhares de jovens através da educação.

Everton Sabú
Fundador

Junte-se a Nós nesta missão!

Crescimento sustentável: como preparar a sua franquia?

Quando o assunto é franquia, muitas perguntas rondam a mente do empreendedor. Uma das mais comuns, sem dúvida, diz respeito ao potencial de crescimento sustentável do novo negócio.

Ao optar por abrir uma empresa com marca e operações já consolidadas, algumas preocupações são eliminadas. Há, porém, a necessidade constante de avaliar o fluxo de operação e, assim, garantir a escalabilidade da empresa.

Se você busca mais informações sobre desenvolvimento saudável de operações, encontrou o conteúdo certo! No post, você entenderá um pouco mais sobre o conceito de escalabilidade e, de quebra, terá acesso a dicas valiosas para endossar o crescimento da franquia.

Preparado? Vamos em frente e boa leitura!

O que é escalabilidade (e por que ela é importante)?

O termo escalabilidade tem tido cada vez mais destaque entre os empreendedores. E não é para menos: o conceito, quando aplicado, representa um diferencial importante para as operações de qualquer empresa.

Em essência, um negócio escalável é aquele que, em função da qualidade do que oferece e da excelência com que oferece, consegue expandir sua área de atuação sem impactar negativamente nas finanças.

Na prática, a escalabilidade de uma empresa está diretamente ligada à sua capacidade de oferecer mais, para mais pessoas, com o mesmo padrão de qualidade, sem que nenhuma dessas movimentações incorra em custos maiores.

Em um mercado altamente competitivo, é importante que os gestores estejam atentos a esse conceito e possam lançar mão de estratégicas consistentes para torná-lo, de fato, uma realidade da operação.

Ao priorizar um fluxo de produção e atendimento sinérgico, alinhado aos objetivos do negócio, o empreendedor tem mais segurança para investir em expansão. A escalabilidade é, metaforicamente, o passaporte que conduz ao sucesso e à perenidade de uma organização.

No caso das franquias, a escalabilidade desponta como uma característica validada: uma marca já bem construída, com processos claros e já testados, e um público-alvo bem definido e engajado sinalizam que é possível ampliar o alcance do negócio, contendo a explosão dos custos.

Diante disso, não seria equivocado dizer, portanto, que uma empresa escalável é, sem dúvida, uma grande oportunidade em potencial. Uma vez corretamente estruturada, cabe ao empreendedor cuidar da tarefa de desenvolver e executar as estratégias que prosperarão o negócio, permitindo que ele cresça de maneira saudável — ao pisar em um terreno já preparado pelo franqueador.

Como promover o crescimento sustentável de uma franquia?

Uma vez esclarecido o conceito de escalabilidade, é válido conferir um pouco mais de prática à discussão. Para endossar o crescimento saudável do negócio, é fundamental que haja atenção (e, claro, ação) às melhores práticas de gestão com foco em expansão sustentável. Confira algumas das melhores dicas para preparar a sua franquia!

Mobilize todas as unidades

Uma franquia escalável é uma rede em que há cooperação entre as unidades. É, também, uma marca em que há a exploração e a discussão, em conjunto, das tendências de mercado e das melhores práticas administrativas.

Dessa forma, é pertinente dizer que a mobilização de todas as unidades, reunidas em um objetivo comum (que é, nesse caso, a escalabilidade da empresa) desponta como essencial no sucesso do projeto.

Considerando que o modelo de franchising é baseado no compartilhamento de experiências, favorecendo o crescimento sustentável de todos os franqueados, é importante que haja sinergia nos objetivos e metas.

Explore os mais diversos canais

Como já mencionamos, a escalabilidade pressupõe a habilidade de expandir a operação sem, no entanto, inchar os custos de produção. Essa equação pode parecer complexa, mas é, certamente, simplificada quando são encontrados os canais certos.

Definir quais são os métodos mais assertivos, porém, não é tarefa fácil. É preciso empreender um estudo bastante detalhado da marca e da empresa — verificando, por exemplo, qual é a imagem da organização e qual é o público que se deseja atender com os produtos e serviços produzidos — e então partir para um período de testes.

Aqui, a recomendação é: teste diversos canais, cometa erros e acertos, para conhecer quais são seus potenciais e quais devem ser os ajustes para potencializá-los. Assim que os cenários forem compreendidos, será mais fácil explorá-los com consistência e maiores retornos.

Fidelize seus clientes

A fidelização de clientes deve ser uma preocupação central, independentemente do estágio em que a franquia se encontra. Afinal, uma empresa só pode crescer se contar com uma base de consumidores fieis é dispostos a efetuar compras recorrentes.

Os investimentos em práticas de retenção, reaquecimento e fidelização de clientes são mais do que justificáveis: são absolutamente necessários! Priorize campanhas de incentivo e certifique-se de manter um relacionamento próximo com o público que é cativo.

Lembre-se de que a escalabilidade – e, por consequência, o crescimento sustentável – também depende do aumento do faturamento de vendas. A fidelização é crucial para alcançar esse estágio.

Organize os dados

Em um mercado tecnológico, é inteligente que as empresas se valham da miríada de dados que está disponível online. Mais do que somente acessá-los, porém, é importante que haja coerência na tratativa dessas informações, permitindo que sejam empregadas em estratégias de valor.

Para garantir o acesso a dados críveis, capazes de construir diferenciais competitivos, vale investir na centralização e na organização de informações. Uma vez catalogadas, é ideal que sustentem a elaboração de novas estratégias e que sinalizem as inovações que possam ser trabalhadas.

Considerando, ainda, o alto grau de dinamismo dos dados obtidos e trabalhados, vale ressaltar a relevância de manter um monitoramento regular, evitando que mudanças repentinas afetem um posicionamento de marca e, assim, possam comprometer a eficácia do trabalho.

Diante de tudo o que foi abordado, é comum que surja um questionamento: qual é, então, a melhor rede de franquias para investir, considerando as possibilidades do crescimento sustentável?

A resposta, por sua vez, depende de uma série de fatores e está condicionada a variáveis importantes — desde características regionais, diferindo em preferência de consumo, por exemplo, passando também por determinações de perfis, que interferem na concepção de estratégias.

A mensagem final, portanto, é clara: para perseguir o crescimento sustentável de uma rede de franquias, é preciso alinhar processos e preparar equipes. Além disso, a escalabilidade deve ser pensada como um processo contínuo, cheio de nuances e oportunidades.

O conteúdo prendeu sua atenção e despertou novos insights sobre o seu negócio? Perfeito, o objetivo foi cumprido! Entre em contato conosco e veja como podemos ajudá-lo a maximizar o retorno das operações, escalando-as em prol do crescimento sustentável do seu negócio. Sucesso e até a próxima!

6 dicas imperdíveis para encontrar o negócio ideal para você

Constituir uma empresa de sucesso é o sonho de muitos empreendedores. Abrir o negócio ideal é uma possibilidade tentadora e, ao mesmo tempo, uma tarefa que exige coragem e força de vontade.

Não basta apenas motivação, até porque estamos falando de um investimento que vai exigir conhecimentos técnicos, atitudes de liderança e inovação, além de demandar custos iniciais com infraestrutura e mercadorias, por exemplo.

Como nós sabemos, sobreviver no mercado atual exige jogo de cintura e persistência. Diante disso, para que tudo dê certo e saia conforme o esperado é preciso investir em um planejamento adequado e gerenciamento eficiente.

Pensando nisso, a seguir, vamos apresentar algumas dicas de como você pode escolher o negócio ideal para o seu perfil, levando em conta a situação do mercado, os seus objetivos, e como deve ser feita a sua escolha. Está curioso? Continue a leitura!

1. Entenda o seu perfil

Antes de se aventurar no ramo do empreendedorismo e encontrar o negócio ideal, é preciso conhecer as suas preferências e afinidades pessoais. Por isso, é importante considerar a sua personalidade na hora de definir o tipo de negócio e o ramo em que pretende atuar. Conheça os perfis mais comuns de um empreendedor.

Realizador-Empreendedor

Perfil ideal para profissionais do ramo da inovação. Assumem riscos e tendem a ser mais competitivos. Gostam de praticidade e seu trabalho se baseia na estipulação de metas e objetivos que precisam ser alcançados, ao passo que evitam regras.

Realístico-Gerencial

Podem ser ótimos administradores. Seguem um planejamento criterioso e gostam de trabalhar de maneira organizada, mantendo a ordem e valores precisos.

Artístico-Imaginativo

Costumam ter sucesso em áreas artísticas como, decoração e moda. A personalidade desses indivíduos está mais ligada à criatividade.

Concreto-Convencional

Perfil ideal para áreas de advocacia, contabilidade e consultoria. Trata-se do modelo tradicional, que prefere trabalhar com estabilidade, seguindo regras claras e tem facilidade em obedecer a rotinas e prazos.

Social-Afetivo

Perfil para quem trabalha diretamente com atendimento ao público, como vendedores. São pessoas que prezam pelo contato humano e servir aos clientes, com gosto pelo trabalho em equipe.

2. Identifique os seus pontos fortes

Gosta de cálculos? Prefere lidar com o público? Tem facilidade em se adaptar à rotina? Todos nós temos algum tipo de habilidade ou talentos que fomos desenvolvendo ao longo do tempo. Trata-se de características marcantes que podem auxiliar o processo de empreendedorismo e podem impulsionar a procura pelo negócio ideal e o crescimento profissional.

Podemos citar como exemplos: organização, facilidade de comunicação, resiliência e perseverança.

3. Conheça as necessidades do mercado

É importante conhecer o que está em alta, ou seja, a tendência que está sendo mais procurada no marcado. Para isso, é essencial entender o consumidor e saber quais são as suas necessidades e anseios.

Preste atenção no seu público e verifique do que ele precisa. Não adianta nada você se empenhar para oferecer determinado produto, se aquilo não tem alta taxa de rotatividade, ou seja, não vai vender. Depois de observar os consumidores, será mais fácil identificar a carência de mercado.

4. Avalie as oportunidades

A verdade é que cada ramo tem suas características e pertence a um mercado, que pode estar muito ou pouco saturado. Seja qual for a sua escolha, é importante prestar atenção para escolher as melhores oportunidades dentro do seu segmento.

Se você quer abrir uma empresa alimentícia, mas percebe que o mercado está saturado, por que não optar por serviço delivery ou, então, um tipo de comida mais diferenciada, como a vegana ou a japonesa?

5. Analise o segmento com o qual tenha afinidade

Escolha uma área que você goste e que tenha alguma familiaridade. Não é necessário ser expert no assunto, mas o ideal é estar disposto a entender como funciona aquele segmento mais de perto e, então, planejar as estratégias que serão colocadas em prática. Assim, você vai ter motivação para prosseguir e as chances alcançar o sucesso serão muito maiores.

Se você gosta de cozinhar, por que não investir em um restaurante? Se você gosta de moda, pense em abrir uma loja de confecção ou venda de roupas.

6. Encontre o modelo de negócio ideal

Definir o seu modelo de negócio consiste em uma das primeiras etapas da jornada empreendedora. No geral, os dois tipos que você pode escolher são: empresa comum ou franquia. Cada opção apresenta suas particularidades. Por isso, é essencial conhecer melhor como funciona cada uma antes de fazer essa escolha.

Empresa comum

O empresário que controla o seu próprio empreendimento, com a ajuda de gerentes. A seguir, confira os principais modelos de empresas mais comuns no país e que são adotadas por pequenos empresários, conforme o faturamento bruto anual. São eles:

  • MEI: o Microempreendedor Individual tem CNPJ e atua sozinho. O seu faturamento anual não pode ultrapassar até R$ 60 mil. Esse negócio se enquadra no regime tributário do Simples Nacional;
  • ME: a Microempresa é uma forma fácil de abrir um negócio, uma vez que adotam o Simples Nacional, e a burocracia é bem menor. O seu faturamento anual deve ser de até R$ 360 mil;
  • EPP: as Empresas de Pequeno Porte devem ter um faturamento anual superior a R$ 360 mil.

Franquia

O empreendedor de uma franquia utiliza a marca de outra empresa já conhecida e que exerce influência no mercado. Nesse sentido, ele terá à sua disposição todo o suporte e assistência para fazer a administração e gestão financeira da sua própria unidade. Podemos citar como exemplos: contratação dos empregados, formas de conduta, fornecimento de mercadoria e equipamentos etc.

Investir em uma franquia pode ser uma excelente opção para o seu negócio. Esse tipo de empreendimento costuma ser muito mais seguro e estável, se comparado com uma empresa comum. Além disso, o modelo envolve troca de informações entre os demais franqueados e ganhos de escala em um sistema colaborativo que abrange outras redes.

Se você está pensando em empreender e busca o negócio ideal, analise todas as dicas que foram apresentadas. A partir daí, elabore um planejamento detalhado e defina estratégias eficientes, de acordo com o tipo jurídico mais adequado aos seus objetivos. A jornada empreendedora é desafiante, mas pode trazer muitos resultados positivos.

Quer saber mais sobre o assunto? Confira as habilidades que todo empreendedor de sucesso deve praticar!

Bill Gates, uma trajetória inspiradora

Bill Gates — o cérebro por trás da gigante Microsoft — é um exemplo de inteligência e dedicação. No post de hoje, o grande protagonista é, sem dúvida, uma das mentes mais brilhantes dos últimos tempos.

Tanto os empreendedores iniciantes quanto aqueles mais experientes hão de concordar em um ponto: inspiração nunca é demais. Para conferir nova energia à gestão e para estimular reflexões sobre o negócio, as histórias inspiradoras despontam como um excelente combustível.

Saiba um pouco mais sobre a história, as conquistas e as lições que Bill Gates pode ensinar aos empreendedores. Boa leitura e bom aprendizado!

A infância e a juventude de Bill Gates

William Henry Gates III veio ao mundo em 1955, em Seattle. Filho de Mary Maxwell Gates, professora formada pela Universidade de Washington, e de Willian Gates, graduado na mesma Universidade e um dos mais destacados advogados em sua região, Bill Gates também sempre demonstrou afinidade com a tecnologia.

Aos 16 anos, já desenvolvia softwares básicos para máquinas de fliperama. Aos 17, em parceria com Paul Allen, um grande amigo e futuro sócio, desenvolveu um software para leitura de fitas magnéticas, com informações e tráfego de veículos.

Bill Gates, além disso, se destacava na escola. Em idade de cursar o ensino superior, Gates prestou o SAT — espécie de vestibular norte-americano — e, dos 1.600 pontos possíveis, marcou 1.560. Chegou a começar os cursos de Matemática e Direito, mas os abandonou no terceiro ano.

Da garagem ao topo, nasce a Microsoft

Abandonar Harvard permitiu que Gates se lançasse, na companhia de Allen, em uma empreitada ainda mais desafiadora: nascia a Microsoft — uma das primeiras empresas a se dedicar aos programas para computadores pessoais (PCs) — que, na época, apenas começavam a ser vendidos.

O ano era 1975, e Bill tinha apenas 19 anos. O primeiro produto da Microsoft chama-se Altair BASIC e foi desenvolvido para o MITS Altair. O Windows, que hoje domina 90% dos sistemas operacionais em PCs, só foi comercializado em 1985 e significou uma completa quebra de paradigmas no mercado. E, claro, uma grande guinada na empresa.

O sucesso foi retumbante, e o faturamento da Microsoft endossou a riqueza de Bill Gates. Entre 1995 e 2007, ele liderou sem interrupções a lista das pessoas mais ricas do planeta, publicada anualmente pela Forbes.

As lições de sucesso de Bill Gates

Além de um exímio empreendedor, altamente visionário e pronto para enfrentar os desafios do mercado, Bill Gates também se destaca pela filantropia. A Fundação Bill e Melinda Gates, que ele mantém com a esposa, já recebeu aporte de 28 bilhões de dólares desde o início de suas atividades.

O sucesso do empresário, ao contrário do que possa parecer, não aconteceu da noite para o dia e nem se amparou apenas na sorte. Por mais que o contexto possa ter alavancado os resultados de Gates, muito foco e dedicação precederam suas conquistas.

De acordo com suas próprias palavras, “o sucesso é um professor perverso. Ele seduz as pessoas inteligentes e as faz pensar que jamais vão cair”. Convém, portanto, manter a ética nas negociações e relacionamentos, permitindo que a empresa alce voos cada vez mais altos.

A mensagem, enfim, é clara: a trajetória de Bill Gates faz parte das histórias inspiradoras que podem render insights para potencializar o desempenho do seu próprio negócio.

O conteúdo despertou seu interesse e o motivou a buscar novos caminhos para o seu negócio? Ótimo! Aproveite, ainda, para deixar seu comentário e compartilhar conosco quais são suas ambições (e quais serão os próximos desafios da sua empresa). Sucesso e até a próxima!

Samuel Klein, das Casas Bahia – Histórias inspiradoras

Samuel Klein é o personagem da história motivacional deste post.

Histórias inspiradoras são ótimas ferramentas de motivação. Conhecer a trajetória de empreendedores de sucesso é, mais do que apenas uma curiosidade, mas também um relevante instrumento de aprendizagem. Afinal, ainda melhor do que aprender com os próprios erros é ser capaz de aprender com os erros dos outros.

Se você busca inspiração e precisa de um impulso para arejar sua jornada empreendedora, não deixe de ler o texto até o fim! A seguir, você encontrará detalhes das experiências de Samuel Klein, o criador das Casas Bahia, e entender um pouco mais sobre o legado desse grande gestor. Vamos em frente e boa leitura!

O começo do empresário: a dificuldade da guerra

Nascido em 1923, na Polônia, Samuel enfrentou grandes impasses desde muito cedo.

Quando tinha apenas 19 anos, durante a Segunda Guerra Mundial, sua família foi separada: ele e o pai foram encaminhados a um campo de concentração e então submetidos a trabalhos forçados. A mãe e os cinco irmãos foram levados a um campo de extermínio — e Klein nunca mais tornou a vê-los.

Mesmo imerso a um contexto tão violento e desconcertante, Samuel tinha em si uma vontade inabalável de viver. Esse ímpeto o levou a fugir do campo de concentração, instalando-se em Munique — onde reencontrou o pai, casou-se com Ana e deu os primeiros passos na área de vendas.

A superação e o empreendedorismo

Em 1951, Klein decidiu tentar a vida na América do Sul. Primeiro, aportou na Bolívia, mas ao perceber que o país também passava por uma guerra civil, mudou-se definitivamente para São Caetano do Sul, em São Paulo.

No início, para prover o sustento da família, Samuel vendia itens de cama, mesa e banho em uma charrete. Batia de porta em porta oferecendo os produtos e, quando o cliente se interessava pela mercadoria, mas não tinha condições de adquirir, oferecia facilidades diferenciadas no pagamento. Nascia, então, o formato embrionário do que seria uma das maiores varejistas do país, as Casas Bahia.

As lições de Samuel Klein

Samuel Klein é um exemplo de persistência e superação. Sua trajetória, mesmo que marcada por episódios tristes e violentos, é uma história absolutamente inspiradora.

Dentre as lições desse empreendedor notável, fica difícil selecionar quais são as mais relevantes. Ainda assim, destacam-se:

  • a determinação, que o impulsionou a superar graves impasses, sempre acreditando que o trabalho duro, norteado pela ética, reservaria resultados engrandecedores (e lucrativos);
  • a generosidade, que o tornou referência em consumo para a classe C, que, ainda que tenha menos condições financeiras, deseja ter acesso a produtos de qualidade;
  • a visão de negócios, que sempre o motivou a buscar soluções atualizadas, coerentes às demandas de consumo, e pertinentes ao público-alvo de sua empresa.

Na prática, Samuel Klein podia ser descrito como um empreendedor completo: era focado, resiliente e tinha um olhar humano sobre as relações que construiu, ainda que comerciais. É por isso que foi capaz de edificar um império, e de continuar prosperando sua marca e patrimônio ao longo dos anos.

As Casas Bahia, de Klein, e o mercado brasileiro

Por fim, e não menos importante, é válido congratular a conquista de Samuel Klein, como resultado justo de seus esforços.

As Casas Bahia é referência em varejo para a classe C, acumulando resultados positivos a cada balanço. Em 2014, quando faleceu, Klein havia deixado um império, mas também um legado.

Uma de suas frases mais emblemáticas, e um excelente fechamento para sua história inspiradora, era: “meu lema é confiar. Confiar no freguês, nos fornecedores, nos funcionários, nos amigos e, principalmente, em mim”.

Saber uma das grandes histórias inspiradoras de empreendedores, foi um sopro de vigor e despertou em você a vontade de fazer mais e melhor? Ótimo, cumprimos nosso propósito! Que tal, agora, compartilhar suas experiências e projetos conosco? Deixe seu comentário no post!

Jovem Aprendiz, JUMPER! é a nova parceira do Programa

Programa Jovem Aprendiz, rede de escolas é homologada a operar em todo o Brasil

Parceria com a JUMPER! Profissões e Idiomas visa oferecer para as empresas a viabilização do processo de contratação do programa Jovem Aprendiz.

A Lei da Aprendizagem, criada pelo Governo Federal, obriga as empresas de médio e grande porte a disponibilizar em seu quadro de funcionários, uma cota destinada a contratação de jovens aprendizes. Atualmente, com o eSocial as fiscalizações são muito mais rápidas e certeiras, sendo assim, é preciso que empresas estejam em dia com as contratações, para evitar multas do Ministério do Trabalho.

Ao mesmo tempo em que existe essa nova demanda às empresas, existem jovens a procura de adquirir experiência para dar o passo inicial em suas carreiras e que buscam um lugar no mercado de trabalho.  Para atender a procura tanto das empresas, quanto dos jovens, ainda são poucas instituições homologadas pelo Governo para prestar o serviço e atender as exigências do Programa.

A JUMPER! com suas 150 escolas espalhadas em todo o Brasil vai contribuir para suprir essa necessidade.  “Eu sou fruto do Jovem Aprendiz. Meu primeiro emprego foi através do programa, e talvez eu não estivesse onde estou, se não fosse por ele. Por isso, desde que fundei a JUMPER! me preparei e busquei inserir o programa em nossas escolas. Considero essa homologação um marco na história da empresa, e estou muito feliz em poder contribuir através da educação, para o futuro do nosso país”, afirma Everton Sabú, Diretor da rede.

O programa Jovem Aprendiz – Como funciona 

O programa Jovem Aprendiz é um dos maiores programas sociais do Brasil, e é responsável por auxiliar as empresas na contratação de jovens que desejam ingressar no mercado de trabalho dentro do seu quadro de funcionário. O jovem atuará em rotinas administrativas em jornada de trabalho reduzida, e ao mesmo tempo realizará um curso de qualificação profissional, voltado a sua área de atuação dentro da empresa.

Requisitos para ser contratado

  • Ter idade entre 14 e 24 anos
  • Possuir carteira de trabalho
  • Estar cursando ou ter concluído o ensino regular ou superior
  • Ter desempenho escolar superior a média 6.0
  • Desejar entrar no mercado de trabalho
  • Inscrever-se na JUMPER para participar do Processo Seletivo do Programa Jovem Aprendiz, munido de documentação (RG, CPF, Carteira de Trabalho, Comprovante de Matrícula ou Declaração Escolar)

Benefícios:

  • Carteira assinada
  • Benefícios da CLT (férias, 13º salário, etc)
  • Oportunidade de trabalho em grandes empresas
  • Jornada de trabalho reduzida
  • Trabalha quatro dias e estuda um dia em uma das escolas JUMPER!

Jovem Aprendiz, por que contratar?

  • É obrigatório para empresas com acima de sete funcionários
  • Vantagens e incentivos fiscais
  • Recebe jovem treinado e capacitado para assumir responsabilidades
  • Contribui para a inclusão social de jovens carentes no mercado de trabalho

Como contratar?

Esta é a parte mais simples.

O processo seletivo destes jovens poderá ser realizado pela empresa, ou a JUMPER! poderá realizar uma pré-seleção, encontrando os adolescentes que tenham mais relação com o perfil que solicitado e também com as funções que ele terá de executar.

Antes de ser uma obrigação legal, o programa jovem aprendiz também é uma ação social que visa combater o trabalho infantil e oferecer novas oportunidades as adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

Sobre a JUMPER!

A rede de escolas está há mais de 15 anos oferecendo aos seus alunos qualificação e crescimento profissional. São aproximadamente 500 cursos presenciais e online, em diversas áreas de atuação.

Franquia JUMPER Cursos

Nota fiscal eletrônica? Fique por dentro das mudanças

A nota fiscal eletrônica surge como uma auditoria do governo, com a finalidade de acompanhar os processos administrativos realizados na empresa. É uma forma de verificar se o que o empresário compra/vende confere com o quanto que ele declara no imposto de renda.

Você que deseja abrir um negócio de sucesso, precisa ficar por dentro das novidades dessa exigência do governo. Pode ficar tranquilo que explicaremos tudo neste post. Continue a leitura!

Qual o objetivo da nota fiscal eletrônica?

A nota fiscal eletrônica é um documento fiscal que comprova as transações comerciais de uma empresa. Ela descreve os produtos/serviços, a quantidade, os valores, os impostos recolhidos, e a identificação com a Receita Federal por meio da chave de acesso.

Imagine que determinada escola de idiomas e cursos profissionalizantes fecha parceria com uma empresa e ofereça um curso de inglês com 50% de desconto para uma equipe de funcionários. A escola em questão deverá emitir nota fiscal com o valor restante para a empresa parceira declarar os gastos em seus balanços entre receitas e despesas.

O que é NF-e 4.0?

A NF-e 4.0 surge para facilitar a fiscalização e o controle de emissão das notas fiscais em transações de compra e venda de mercadorias/serviços. Antes esse controle era realizado por emissão de notas fiscais de papel.

Esse modelo fiscal está funcionando desde 2017, mas só entrou em vigor em agosto/2018, no qual o antigo layout (NF-e 3.10) foi descontinuado. Essa exigência conta com a criação e padronização de campos e parâmetros obrigatórios.

Dentre as principais alterações destaca-se a criação de campos para inserir o valor do frete, rastreabilidade de produto por lote, obrigatoriedade de informar o meio de pagamento, entre outros aspectos. Confira agora as principais alterações em mais detalhes e fique por dentro de tudo!

Indicador de pagamento

Na nova alteração, é exigido o preenchimento do campo que indica a forma de pagamento (dinheiro, cheque, cartão de crédito, de débito ou vale-alimentação). Ele passa a compor o Grupo de Informações de Pagamento, que tem um campo onde é exigida a informação do valor de troco que influencia no fluxo de caixa.

Rastreabilidade de produto

O Grupo Rastreabilidade de Produto passa a integrar ao novo layout para trazer dados que permitam o controle de venda de produtos regulados pela vigilância sanitária, como medicamentos, bebidas, embalagens, produtos veterinários, itens odontológicos.

Fundo de Combate à Pobreza

O campo de Fundo de Combate à Pobreza passa a ser uma regra de validação no novo modelo. Ele já estava previsto pela Constituição Federal como recebedor de recursos advindo do recolhimento das alíquotas ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Outro detalhe, é que esse campo deve ser preenchido com o percentual de imposto para transações internas ou entre estados (interestaduais), passível ou não de ST (Substituição Tributária).

Grupo X-informação do transporte

Nesse novo modelo, houve a alteração do Grupo X-informação do transporte, pelo qual, foram criadas modalidades de frete como, o remetente ou o destinatário sendo responsável pelo envio de produtos.

Código ANVISA

Para o comércio de medicamentos, o código ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) deve ser informado, auxiliando a rastreabilidade do transporte.

Em suma, é extremamente importante que o empreendedor entenda sobre a obrigatoriedade fiscal, as alterações do novo modelo. Estar em dia com o fisco garante um negócio sustentável e lucrativo.

Gostou do post sobre o significado, os objetivos e as principais alterações que envolvem a nota fiscal eletrônica? Aproveite e saiba como evitar o fracasso de uma franquia!

Você tem perfil empreendedor?

Ação de Graças, escola promove ação e arrecada mais de 200 quilos de alimentos

Santo Antonio do Sudoeste-PR  faz versão brasileira do Thanksgiving Day(Ação de Graças), tradicional evento americano

O Dia de Ação de Graças (conhecido em inglês como Thanksgiving Day) é um feriado celebrado tradicionalmente nos Estados Unidos e Canadá.  Como o próprio nome diz, é um dia onde as pessoas se reúnem e se dedicam a demonstrar sua gratidão a Deus pelas bênçãos recebidas durante o último ano.

A escola de profissões e idiomas JUMPER! de Santo Antônio do Sudoeste – PR, no dia 30/11, embarcou na cultura americana e preparou um super evento de Ação de Graças.  A escola envolveu todos os colaboradores, alunos e professores na ação, e todos se engajaram em divulgar o evento, captar brindes e arrecadar alimentos.

“Quando percebemos, a ação já tinha tomado uma proporção enorme. Quando vimos que no Facebook mais de 200 pessoas já tinham confirmado a presença, resolvemos alugar um salão para comportar todo mundo. E realizamos parcerias como cabine de fotos e DJ, para atender a expectativa dos convidados. E o resultado dessa ação colaborativa foi um sucesso”, conta João Rodrigues, proprietário da unidade.

Durante a ação, foi realizada uma apresentação cultural onde os alunos puderam demonstrar seus talentos nas mais diversas áreas.  Ao total 350 pessoas compareceram ao evento, e mais de 200 quilos de alimentos foram arrecadados, que serão distribuídos para comunidades carentes da região.

“O propósito do Thanksgiving(Ação de Graças) é incrível e foi um grande privilégio separar um tempo nas nossas rotinas tão atribuladas para parar e agradecer por tudo o que recebemos durante o ano. Contar com o apoio dos nossos parceiros e grande parte da cidade foi ainda mais gratificante.

Esperamos que este espírito de gratidão possa ser renovado em cada um de nós neste ano, e que os alimentos arrecadados possam diferença na vida de alguém”, afirma João.

Abra seu próprio negócio

 

 

Escola realiza Feira de Empreendedorismo

Alunos da JUMPER! Profissões e Idiomas de Jaraguá do Sul – SC expõem projetos em feira de empreendedorismo

Com o objetivo de estimular o espírito empreendedor nos estudantes, a JUMPER! Profissões e Idiomas de Jaraguá do Sul – SC, realizará no sábado (15/12/18) a quinta edição da Feira de Empreendedorismo.  Durante o evento os alunos apresentarão seus projetos nas mais diversas áreas.

“O objetivo da feira é fomentar uma atitude empreendedora em nossos alunos. Ao mesmo tempo, queremos oferecer serviços gratuitos para a comunidade, como aferição de pressão arterial, glicemia e IMC, escova, maquiagem, entre outros”, conta o Diretor da escola Josemar Cristiano Lopes.

O evento já está em sua quinta edição e é sucesso na região. Neste ano, os alunos de inglês farão rodadas de conversação, a classe de Hardware apresentará  projetos de tecnologia renovável, enquanto os estudantes de administração apresentarão a empresa criada por eles, e comercializarão produtos de gastronomia.  Os alunos da área industrial realizarão demonstrações de solda, CNC, elétrica, mecânica de carros e motos, com motores abertos para exibir o seu funcionamento.  Já os alunos dos cursos de capacitação em farmácia e enfermagem, ficarão incumbidos de atender aos que desejarem aferir pressão, glicose e IMC.  Os aprendizes dos cursos de cabeleireiro e maquiagem estarão responsáveis por realizar escova e maquiagem nos visitantes que optarem por estes serviços.

“A feira de empreendedorismo é aguardada durante todo o ano. Nossos alunos são muito criativos e estão ansiosos para demonstrar tudo o que aprenderam. Eu fico muito feliz em poder empregar  a abordagem prática de ensino, fazendo com o que o aluno possa efetivamente aplicar, vivenciar e experimentar o que está sendo ensinado. Acredito que eventos como esse, permite aos alunos exercitarem sua capacidade de encontrar problemas e explorar soluções de forma autônoma, o que favorece o desenvolvimento de competências empreendedoras que muitas vezes não são exploradas no sistema regular de ensino.”, ressalta Josemar.

A feira de empreendedorismo será aberta ao público, com entrada gratuita, das 09h às 14h na JUMPER! localizada na Rua Leopoldo Malheiro, 67 no centro de Jaraguá do Sul.

 

 

Conheça 7 habilidades de um empreendedor que são indispensáveis

O cenário econômico atual obrigou muitos trabalhadores a montarem seu próprio negócio para fugir do desemprego. Diante disso, houve um aumento na concorrência e as habilidades de um empreendedor se tornaram ainda mais cruciais para o sucesso da empreitada. Existem os profissionais que saem na frente, pois já nascem com algumas dessas características bem estabelecidas.

Contudo, é possível desenvolvê-las em qualquer pessoa que esteja disposta a encarar o desafio de estar à frente de um empreendimento. Por isso, é fundamental saber quais são essas habilidades e como fazer para aprimorá-las. É justamente isso que vamos abordar neste artigo. Então, confira as nossas dicas e boa leitura!

1. Inteligência emocional

A inteligência emocional é uma habilidade muito importante para que o empreendedor consiga manter suas questões psicológicas em dia. Isso porque ela está relacionada com a capacidade de lidar com situações extremas de forma mais racional e eloquente. Imagine que você seja dono de um restaurante e aconteça um acidente na cozinha e um de seus funcionários se corte.

Nesse momento, é preciso manter a calma, prestar os primeiros socorros e verificar se será necessário pedir ajuda profissional. Como empreendedor, não importa se ele não tem um bom desempenho ou se é seu parente. Existe um procedimento a ser cumprido e, independentemente das circunstâncias, é a inteligência emocional que ajuda a garantir isso.

2. Resiliência

A melhor analogia utilizada para explicar o conceito de resiliência é o exemplo do bambu. Ele é flexível o suficiente para ceder à pressão, ao mesmo tempo em que tem sua estrutura forte o bastante para voltar ao estado normal quando não há mais nenhuma força sendo aplicada sobre ele.

Como habilidade de um bom empreendedor, a resiliência aparece no momento em que é preciso se adaptar a uma determinada situação, sem que isso mude a sua essência. Por exemplo, digamos que seu estabelecimento seja atingido por uma forte chuva e muitos equipamentos e insumos sejam perdidos. Como um líder resiliente, você conseguirá encontrar soluções temporárias para restabelecer o negócio sem se deixar abater ou desistir.

3. Criatividade

O mundo tem evoluído cada vez mais rápido e, com isso, as relações de consumo também. Isso significa que não dá mais para seguir fazendo as mesmas coisas e esperar que os resultados sejam diferentes. Afinal, vários fatores podem ter mudado e sua empresa precisa acompanhar essas mudanças para se manter competitiva.

Nesse sentido, a criatividade ajuda a desenvolver novos métodos, a criar novos produtos ou até mesmo a pensar em novas formas de apresentá-los aos clientes. O ponto importante da questão é que essa característica garante a atratividade da empresa e, consequentemente, a sua perenidade no mercado.

4. Liderança

Foi-se o tempo em que a liderança era uma característica exigida apenas de pessoas com cargos de chefia. Hoje em dia, ela é uma das habilidades mais importantes para um empreendedor que deseja ter sucesso, mesmo que ele não tenha que coordenar uma equipe em sua rotina.

A liderança se caracteriza pela aptidão de pegar as responsabilidades para si e engajar as pessoas ao seu redor na resolução dos problemas. Sendo assim, ela em nada tem a ver com “saber mandar”, mas sim com o comprometimento verdadeiro com as questões e as pessoas, de forma a inspirá-las e motivá-las a fazer o negócio crescer e se destacar.

5. Persuasão

A persuasão é a arte do convencimento. Assim como a liderança, ela não está relacionada com a capacidade de dar ordens, mas sim de fazer com que as pessoas concordem com o que está sendo proposto, pois acreditam ser o melhor a fazer. No cotidiano de uma empresa, o gestor persuasivo é aquele que tem uma equipe bastante alinhada e que acredita nas decisões que foram tomadas.

Para conseguir induzir os funcionários, o empreendedor deve ser seguro e ter convicção das escolhas que faz. Isso só é possível se ele estiver sempre presente e inteirado de tudo o que se passa ao longo do dia. Desse modo, tem todas as informações necessárias para seguir opções mais firmes e convincentes.

Adicionalmente, é importante ressaltar que uma boa argumentação é uma peça essencial. Logo, além de todo o embasamento na tomada de decisão, o líder persuasivo deve saber expor seus argumentos de modo a garantir que todos compreendam bem o que está sendo proposto e acatem a ideia voluntariamente.

6. Humildade

Não tem nada que desmotive mais uma equipe do que um gestor arrogante. A falta de humildade faz com que nenhuma das características anteriores seja alcançada. Dessa forma, essa é, de todas as habilidades de um empreendedor, a mais impactante. Basicamente porque ela permite que as demais possam ser adquiridas quando a pessoa não nasce com elas.

Entretanto, humildade não deve ser confundida com pobreza ou fraqueza. Muito pelo contrário, um líder humilde sabe quais são suas qualidades e, principalmente, suas limitações. Em vista disso, ele usa esse conhecimento de si próprio para evoluir sem, contudo, denegrir ninguém pelo caminho.

7. Ambição

A última habilidade que vamos destacar ainda é vista de forma negativa por algumas pessoas, mas isso é um mito que precisa ser quebrado. A ambição é muito diferente da avareza. Enquanto a primeira busca a evolução constante, a segunda prega o enriquecimento a qualquer custo.

Então, ser ambicioso é querer que a empresa e seus empregados cresçam de forma sustentável e saudável. A conquista de bens é apenas uma consequência desse processo e não o objetivo principal. A falta dessa característica faz com que o negócio fique estagnado, o que, no mundo em que vivemos, é o mesmo que seguir por um caminho que levará ao fracasso.

Enfim, existem diversas outras habilidades de um empreendedor que devem ser aprimoradas, mas essas são as essenciais. Se você tem um empreendimento ou está pensando em montar um, observe essas características e trace um plano de desenvolvimento para a sua carreira. Assim, seu sucesso será ainda maior.

Uma excelente forma de entender melhor como essas habilidades funcionam na prática é por meio de exemplos. Então, aproveite o momento para se inspirar com a história de Nevaldo Rocha, dono das lojas Riachuelo. Boa leitura!

Por que é essencial classificar corretamente os custos e despesas da franquia?

O gerenciamento financeiro de uma empresa envolve a análise dos custos e despesa, e é uma atividade inerente a qualquer tipo de negócio. Apesar de essas expressões serem utilizadas praticamente como sinônimos, trata-se de termos com significados bem distintos. O ambiente corporativo exige o conhecimento mais a fundo sobre o que esses conceitos significam. Dessa forma, fica mais fácil estabelecer metas, tomar decisões, fazer a gestão das operações e garantir a expansão do negócio.

Se você é empresário e se preocupa com o desempenho do seu negócio, este artigo foi feito para você. Vamos abordar as principais diferenças entre custos e despesas e por que eles devem ser classificados de forma correta para obter sucesso em uma franquia. Continue a leitura!

O que são custos?

Custo consiste em todo e qualquer capital que é investido diretamente no momento de produção ou de oferta de serviços em um empreendimento. Essa aplicação é essencial para a rotina de um negócio, uma vez que é a partir dele que a empresa consegue operar de forma efetiva.

Dessa maneira, é certo afirmar que se uma empresa quer aumentar o volume da sua cadeia de produção, deve aumentar os valores considerados como custos.

Podemos citar como exemplos de custo: matéria-prima, mão de obra, gastos relativos à manutenção e conservação do ambiente, máquinas e equipamentos etc.

Além disso, é muito importante mencionar que o valor aplicado é considerado como gasto, em seu estágio inicial. Contudo, ele será transformado em custo a partir do momento em que começa a ser utilizado. Assim, uma matéria-prima que foi adquirida com o fornecedor é inicialmente um gasto. Depois que ela sai do estoque e é empregada na composição de algum produto, passa a ser um custo.

O que são despesas?

A despesa envolve os gastos que são direcionados com atividades ligadas à administração da empresa. Trata-se do valor essencial que é utilizado para manter a estrutura do negócio, contudo, não é empregado de forma direta na produção de nenhuma mercadoria ou serviço.

Podemos citar como exemplos: despesas com aluguel, água, luz, remuneração da equipe que trabalha na administração, funcionários da área financeira, de recursos humanos, marketing etc.

Quais as diferenças entre custos e despesas?

Os custos se referem diretamente à produção ou à atividade-fim realizada pelo negócio. Por outro lado, as despesas estão relacionadas aos gastos com a manutenção efetiva da empresa, e não se envolvem nas operações de produção propriamente ditas.

Os custos, assim como as despesas, podem ser fixos — mantendo uma média de valor necessário ao longo dos meses — ou, então, variáveis, se o valor oscila conforme as necessidades e características do negócio.

Assim, a variação leva em conta o volume da produção de determinado mês, por exemplo. Já as despesas variam de acordo com as comissões que são pagas aos vendedores, não consideradas gastos fixos.

Por que é fundamental classificá-los corretamente?

Vamos apresentar, a seguir, os motivos pelos quais é importante fazer uma distinção e a correta classificação dos custos e despesas. Confira.

Seleção de gastos que mais impactam a empresa

A empresa que faz um planejamento financeiro consegue conhecer melhor a influência dos custos e despesas no seu orçamento e como eles impactam os seus negócios. Nesse relatório constam projeções, as receitas, custos e despesas decorrentes de todas as áreas de operação.

Essas informações permitem que os gestores conheçam melhor como funciona a movimentação dos recursos. Dessa forma, torna-se possível fazer a divisão mais precisa dos valores que são necessários para cada segmento, bem como conhecer quais são as prioridades daquele momento.

Viabilidade dos produtos

É muito importante conhecer as condições do mercado para saber se o produto ou serviço serão bem-vindos. Nesse sentido, veja se os consumidores que você considera seu público-alvo têm interesse em adquirir os seus produtos. A partir daí você deve considerar os gastos e despesas que a empresa terá de arcar com a fabricação dessas mercadorias ou oferecimento de serviços.

Adequação da margem

A apuração eficiente dos custos e despesas permite conhecer e analisar melhor a margem de contribuição por produto.

A margem consiste na apuração do valor restante obtido com a venda de um produto ou serviço. Ele é calculado ao levarmos em consideração o faturamento bruto subtraído dos gastos necessários para a venda e do custo necessário para a sua produção.

Dessa forma, a margem de contribuição avalia se o produto apresenta um custo-benefício apropriado. Se a margem for pequena, provavelmente sua produção não vale a pena.

Decisões gerenciais pensadas estrategicamente

O gestor que conhece melhor as diferenças entre custos e despesas consegue direcionar melhor as decisões gerenciais com o intuito de gerar cortes de gastos sem que essa atitude cause prejuízos para a empresa.

Assim, ele pode determinar a redução das despesas de forma que isso não implique, diretamente, na produção final. Por outro lado, se ele tomar a decisão de diminuir os custos, poderá comprometer a qualidade dos produtos que são produzidos.

Podemos citar como exemplos de iniciativas que reduzem os gastos: pesquisar os fornecedores, reaproveitar materiais recicláveis, utilizar energia solar, adotar equipamentos mais produtivos e modernos etc.

Além disso, outra maneira de melhorar a estratégia dos gestores é investir em softwares automatizados que garantem uma gestão financeira mais eficiente. Essa tecnologia gera vantagem competitiva, uma vez que permite recolher e analisar o histórico dos custos e despesas da empresa nos últimos períodos, e, assim, identificar uma média ideal a ser aplicada.

Ter um conhecimento atualizado e aprofundado sobre os custos e despesas da sua empresa ajuda a monitorar e controlar os processos de produção. Essa medida garante as melhores oportunidades e diminui os gastos excessivos que podem ser cortados, sem causar impactos diretos nem comprometer as atividades essenciais do negócio.

Por isso, é importante buscar um modelo de franquias bem estruturado e com uma boa orientação, para que o seu empreendimento não apresente problemas nem amargue prejuízos e fracassos no futuro.

Sua franquia se preocupa com o monitoramento e a redução de custos e despesas? Você quer otimizar essa função dentro do seu negócio? Entre em contato conosco! Nós podemos ajudá-lo a direcionar melhor os recursos e diminuir os seus gastos!